30 de nov de 2009

“IMAGINE”! EU... JOHN LENNON???


“IMAGINE”! EU... JOHN LENNON??? (BVIW)


*“(…)Woman please let me explain,
I never meant to cause you sorrow or pain.
So let me tell you again and again and again
I love you, yeah, yeah Now and forever
(…)” (John Lennon)



Nos primeiros meses que entrei no site Recanto das Letras postei uma ¹foto que ficou por bom tempo até o dia em que resolvi alterá-la. Quando viu a nova foto, um autor, o Teigi (Ed Bass) enviou-me e-mail com os dizeres:

Ainda bem que mudou a foto! Aquela estava parecendo o Jonh Lennon!” Ele ainda completou: “-E não era só eu quem achava isso...” – E riu. Ri mais ainda. Gargalhamos juntos virtualmente. Bastou a revelação para selarmos uma amizade à distância. Ele, surpreso por eu não ter ficado brava com a comparação, e eu admirada com sua sinceridade. Ofendida? Imagine!

Lembro da fisionomia do cantor, mas recorri ao bom Google para me comparar ao grande astro. Não é que encontrei semelhanças entre nós? A boca fina, o nariz pontudo visto de perfil, os cabelos lisos e os olhos de quem sonha e chora de amores. Só que me identifiquei com John Lennon além da aparência física. Percebi no gosto pela escrita. Ele com suas composições, eu com meus textos. Ele, talento nato. Eu, apenas ouso escrever. Porém, ambos somos impelidos a expressar sentimentos através das letras.
E eu sou fã das suas ricas obras musicais. Como ele, também gosto de passar mensagens edificantes. Podemos ver, com seu estilo irreverente de ser,na composição de Imagine e na famosa canção natalina “Happy Xmas”, entre outras onde suscitava seus bons desejos em ver um mundo melhor.

Além disso, numa de suas composições ele quis dizer para uma mulher, o que eu desejei ouvir de um homem, por isso que amo a letra da música “Woman”. Quantos dias esperei sonhando ou acordada alguém me dizer: *“(...)Mulher, por favor deixe-me explicar: Eu nunca tive intenção de te causar tristeza ou dor. Então, deixe-me te dizer de novo e de novo e de novo:Eu te amo, sim, sim,agora e eternamente(...)”

Por isso, quando o Ed Bass me comparou ao astro Lennon, eu gostei. Imagine se ficaria aborrecida. Nunca! Foi uma honra.rs




Djanira Luz e John Lennon!rs


1
Djanira Luz

29 de nov de 2009

NOVO ENDEREÇO...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


NOVO ENDEREÇO...



Saudade dos teus afagos diários. Deixaste-me bem acostumada com teus palavreados belos e hilários. Se não vens quero seguir ao teu encontro, pois sem ti não sorrio inteira, desabo metade em pranto...

Qual será o motivo dessa tua ausência silenciosa. Não vês, não sentes quanto estou ansiosa? Algo que disse ou fiz assim de um jeito tolo que o deixou infeliz? Ah, não leves a sério as minhas tolices, não te aborreças pelo o que te disse!

Vem e me envolve com tua voz grave que eu adoro e me põe daquele jeito carinhoso em teu colo. Tu sabes que agora os meus pensamentos são todos teus, será que não me compreendeste, onde foi que não entendeste?

Sente o calor em cada letra que componho, és muito mais do que pedi a Deus, és o meu melhor sonho. Desfaze todo o mal feito ou desfaleço. Saiba que meu amor já tem morada certa, o teu coração é meu novo endereço...


Djanira Luz

DESEJA VIDA PLENA FELIZ, BELA E SAUDÁVEL? TEMA A ISSO!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



DESEJA VIDA PLENA FELIZ, BELA E SAUDÁVEL? TEMA A ISSO!


Durante anos ensinaram-me a não ter medos, pois “tudo aquilo que temesse me aconteceria”. Mas, era inevitável não ter medo, sobretudo quando criança. Do escuro, de insetos, de morrer, de palhaços, de assobiar durante a noite porque apareceria uma onça - nem lembro quem me disse um absurdo desses-, principalmente morando no Rio de Janeiro! Bem, a verdade é havia muitos motivos para medos na infância. Então, fatalmente era surpreendida por aquilo que mais ansiava.

Escuro era o mais provável de me ocorrer. Insetos idem. Palhaços, assobios e morte eram comuns de estarem próximos a mim. Crianças no circo, tudo a ver. Havia quem assobiasse à noite e morria sempre alguém conhecido. Sensato e bom seria ouvir os conselhos dos mais velhos e parar de ser tão medrosa.

Quando se cresce os temores mudam, para outros ou de tamanho. Da morte cresce pela consciência de que cada dia é de fato, menos tempo vivido. Do escuro, sinto medo se estiver na rua sozinha, pois a violência deixa mais sombrios meus pensamentos. E, em relação a palhaços, não me assustam mais, a menos que estejam em filmes de terror.Sobre assobiar a noite, não ligo mais. Embora o vício me faz dar umas espiadas pela janela. Não custa nada conferir. Afinal é saudável respeitar o folclore dos ancestrais!

Depois de certo tempo comecei a dar créditos sobre as consequências de se ter muitos medos. Volta e meia tem uma apagão desavisado. Só hoje aconteceram três vezes. Já sofri investidas de meliantes. Assobios pela noite não traz onça qualquer aqui. Em contrapartida, o que tem aparecido de gatos pela vizinha é incrível, chego a desejar que surja uma onça pintada perdida na selva de pedra no lugar de tantos felinos.

A partir de agora, aproveitando o fim do ano que logo partirá, visto que meus temores se realizam de uma forma ou de outra. Vou temer umas coisas diferentes de hoje em diante!

Vou temer amar demais e ser amada com um amor maior e mais bonito, jamais visto. Temerei ganhar sozinha na Mega Sena acumulada, vou ter medo de ser feliz e de fazer quem estiver ao meu lado igualmente feliz. Terei receio de ter saúde física e mental para dar e vender, vendo saudáveis também todos quanto amo. Temerei viver plenos dias de felicidade, em horas infinitas de risos soltos e leves. E sentirei medo de ter amigos leais, irmãos sem fronteiras, ciente de que a confiança depositada é mútua e cega.

Morrerei de medo: em testemunhar a paz brotando nos países das feias e inúteis guerras, em ver que abolida foi para sempre a palavra e o sentimento preconceito de todo o tipo, em todas a esferas humanas. Temerei constatar que políticos são pessoas dignas, honestas que servem e vivem para o bem estar do bom povo que o elegeu. Sim, temerei o fim dos descasos com a Natureza Humana e o desrespeito com a Vida do Planeta.

Isso! De agora em diante só temerei boas coisas. Sendo assim, algo bom, belo e grande de fato me ocorrerá. Medos, temores, inseguranças? Nada disso! Se o que temo me acontece, com esta lista e mais outros positivos pensamentos, serei feliz, bem feliz!

E você, leitor das minhas letras, quais serão seus temores, hein? Pense bem, viu?rs




Djanira Luz


28 de nov de 2009

O PAPEL HIGIÊNICO DO PADRE LÉO...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


O PAPEL HIGIÊNICO DO PADRE LÉO...


Uma das situações mais embaraçosas para mim é a de precisar usar ao banheiro, seja na própria casa ou casa de amigos e não encontrar papel higiênico. Passei por essa situação dias atrás.

Por incrível que pareça, o pensamento que me ocorreu naquele incômodo momento foi sobre as falas de um padre. Aliás, um dos raros padres coerentes em suas palestras. Diferente de muitos com suas enfadonhas, repetitivas e decoradas homilias dominicais.

Bem, o importante foi o que ouvi do sacerdote em questão, o falecido padre Léo. Ele disse que o diabo vive fazendo-nos de papel higiênico. Isso mesmo! O diabo fica nos tentando para cometermos deslizes. Depois, astutamente, nos usa como papel higiênico para nos emporcalharmos com nossas próprias e feias atitudes. Por fim, nós mesmos repudiaremos e nos envergonharemos da sujeira fétida a qual nos encontramos.

E, lá no banheiro, local apropriado para eliminarmos as sujeiras do corpo, eu aproveitei para pensar nas imundícies da mente. Percebi, assim, que pela vida toda havia me deparado com algum “diabo” na forma de falsos amigos, falsos amores, falsos de todos os tipo e faces que se possa imaginar.

Algumas más pessoas já me utilizaram como papel higiênico e me corromperam com amores vencidos, amizades deterioradas, palavras sujas, promessas asquerosas, conversas podres e, logo em seguida, simplesmente me depositaram ao insignificante lixo do abandono. Usou, sujou, joga fora! Diabolicamente descartada.

Por isso estou mais atenta aos que me cercam e não mais dou créditos a qualquer pessoa. Não gostei da ideia de ser papel higiênico! De jeito nenhum. Antes, prefiro ser lenço umedecido perfumado. É! Aquele lenço utilizado na higiene do bebê ou para retirar a maquiagem.

Sendo lenço umedecido continuarei a me sujar com os resíduos do corpo. Mas, a pessoa que me manchar com algum sentimento imundo, em troca, ficará com meu perfume e como aquele dito – “a gente dá o que tem de melhor”. E é assim que ajo. Retribuo com algo bom, não com o mesmo ou pior troco.

Posso até me sujar momentaneamente, mas a minha essência aromática permanece em mim. Além disso, perfumo a quem maculou meus sentimentos. Na verdade, não sou eu quem se contamina com nojeiras, mas a pessoa que se perfuma do meu amor e perdão.

E quanto a mim lá no banheiro sem papel higiênico, na casa dos amigos? Sorte que vi antes de chegar as vias de fato.
Saí e pedi para a minha amiga.rs

Djanira Luz


26 de nov de 2009

ERA VOCÊ QUEM EU ESPERAVA!



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


ERA VOCÊ QUEM EU ESPERAVA!


Vem, chegue mais perto,
tu vieste num tempo certo
estou pronta para mudança,
em ti restaurei a confiança
não encontrada em outros braços,
por isso desato laços
acabou-se a minha espera,
meu tempo de sofrer, já era
suas palavras doces são colo,
por isso te desejo e adoro
provo dos teus carinhos, estremeço,
de tudo mais esqueço,
das mágoas que me feriram,
das tantas lágrimas que caíram
teu amor deixou-me a dor anestesiada,
agora já estou bem confortada
nos olhos trazes a luz da paixão
com a mais pura emoção
saber o quanto lhe sou querida
deixa-me radiante, feliz da vida
então irei retribuir o que me ofertas
até nas horas mais incertas
não vejo o momento, o dia
de poder gozar feliz da tua companhia
o mundo celebrará um amor jamais visto,
que será abençoado por Cristo
encontramo-nos na dobra tempo,
unindo o físico e pensamentos
meu corpo está sentindo
como fogos de artifícios explodindo
tu dizes que todos estão notando
o quanto estás me amando
não me preocupo se tudo vai durar,
eu só sei que quero te amar
vivendo a cada dia um recomeço,
é minha proposta que ofereço
o amanhã que seja eterno renascer
para nenhum dos dois se arrepender
cada hora provaremos da graça e da beleza
e do nosso amor imenso, a certeza...





Djanira Luz

As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!

PRECISO APRENDER AGRADECER MAIS DO QUE PEDIR...


Todos os dias eu peço. Descubro-me tal uma pedinte esmolando paz, abraços, amor, inspiração, companhia, carinhos, beijos, talento, colo, bênçãos, saúde, mimo, alegria, atenção, sucesso, alimento para o corpo e para a alma e graça. Muita graça...

Hoje vai ser diferente! Estou num estado elevado de graça que agradeço até mesmo pela dor que me fere, pois me faz valorizar as horas em que meu corpo e minha alma encontram-se saudáveis, livres dos males físicos e espirituais. Agradeço pela solidão por me lembrar das vezes que ignorei uma boa companhia.

Agradeço pela falta de carinho para nunca mais deixar de sorrir a quem estiver triste. Agradeço pelo amor que se foi por não sabê-lo conservar pela minha vaidade. Agradeço pelos meus pés feridos, pois muitas vezes evitei carregar no colo as tristezas do irmão que pisava em espinhos nas horas difíceis.

Agradeço por minhas lágrimas abundantes, só assim saberei a importância dos momentos alegres que desperdicei por negligenciar mãos amigas que ofertavam ajuda. Agradeço por tanto NÃO que tive de engolir, pois me fizeram mais forte impedindo-me de desistir no meio do caminho. Agradeço pelas vezes que obtive SIM porque me fez acreditar que tudo é possível quando não desistimos ou cruzamos os braços.

Agradeço pelo silêncio momentâneo da voz por me conscientizar do silêncio eterno dos que não pronunciam palavras. Agradeço pelo barulho ensurdecedor das buzinas e das músicas sem nexo da juventude por ter ciência de que os que nada ouvem dariam tudo para ouvir apenas um leve sussurro do vento. Agradeço pelos dias de apagão por me fazer igual aos que não veem e por assim ser, valorizar todas as maravilhas da natureza e da tecnologia.

Agradeço o cansaço das pernas, as dores dos pés, das minhas mãos e do corpo inteiro, pois posso caminhar quando muitos não se movem, posso tocar o rosto da pessoa amada ou afagar os cabelos de uma criança e por saber que há pessoas incrivelmente belas sem membros que fazem muito mais do que eu que possuo braços e pernas.

Agradeço por descobrir-me fraca, com tolerância zero para dor nas vezes que me machuco ou adoeço, aí penso nos que sofrem com dores insuportáveis, dos portadores das doenças ingratas e incuráveis que diuturnamente sem revoltas, sublimam a dor.

Então, hoje, na quarta quinta feira de novembro, Dia de Ação de Graças, eu cheia de vergonha por pedir mais do que agradecer, por merecer menos do que peço, eu agradeço. Agradeço pela dom da vida, por tudo que tenho, pelos amores que recebo de tantas formas, seja no silêncio de uma flor ofertada, seja numa palavra dita ou um poema repleto de carinho que posso sentir nas entrelinhas. Eu agradeço simplesmente.

Agradeço por tudo. E, inclusive, agradeço a você que me acompanha e me ilumina com o brilho dos seus olhos, leitor querido...

Bênçãos e graças em sua vida!rs

25 de nov de 2009

O MUNDO ABRAÇANDO A "MANIA DE VELHO"!


Imagens do meu arquivo pessoal, saídas do forno agora!rs

O MUNDO ABRAÇANDO A "MANIA DE VELHO"!



Desde criança sempre gostei de guardar frascos de perfumes, caixinhas de papel, tampas de refrigerantes, canetas vazias, potes de cremes, caixas de fósforos. Alguns eu achava bonito, outros imaginava mil utilidades para eles. Por causa desta minha mania, várias vezes ouvia dos irmãos e colegas:

“- Que mania de velho guardando cacarecos!!!”

Tempo passou e ainda me vejo com o antigo hábito. Um frasco de perfume transforma-se num vaso solitário de flor. A lata do achocolatado, encapo e vira lixeirinha para as pontas de lápis das crianças. Além de outras serventias que vou dando aos frascos e objetos que seriam depositados ao lixo.

Hoje já não sou chamada de velha e sim de moderna, mulher atual consciente que recicla e cuida da natureza. É o giro do mundo, é a virada das ideias. O mundo abraçando a mania de velho!

É como se eu previsse o futuro, por isso não me importava com as críticas e zombarias. Um dia estaria certa no meu agir, acreditava. Valeu aguentar as pilhérias, o mundo evoluiu. Agora a praia é minha, vivo feliz feito pinto no lixo com minhas riquezas reaproveitáveis. Mamãe Natureza me sorri satisfeita. Esta é minha melhor recompensa!

Acontece, porém, que continuo guardando certas coisas e as pessoas se voltam outra vez contra mim com suas zombarias por eu preservar a boa índole, a ética, os bons costumes, a fina educação, o amor ao próximo, por viver tentando promover a paz.

Todas estas coisas que a modernidade rejeita, fazendo com que me vejam como detentora de velharia moral, pois insisto em conservar antigos hábitos que o mundo atual não quer saber de reciclar tais sentimentos edificantes.

Desde pouca idade tenho personalidade para suportar os julgamentos tortos. Como lá no passado tolerei com minha mania de velho, em pensamentos pra lá de modernos.

Mas, eu não ligo! Acredito em mudanças de espírito. Se hoje sou tida como velharia por preservar conceitos, uma hora, novamente estarei na moda! É tudo uma questão de tempo, de novo giro no mundo, da volta das ideias acertadas e dos bons hábitos.

A natureza humana também carece de reciclagem...rs



Djanira Luz


HOMENS NÃO SE SEPARAM!



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



HOMENS NÃO SE SEPARAM!



Você sabia que na maioria das vezes é a mulher que decide romper um relacionamento e que o homem por mais insatisfeito que esteja, quase nunca se separa da mulher? Conversando com alguns casais amigos e analisando suas convivências, cheguei as minhas conclusões. Veja bem, são palavras de mulher leiga, porém atenta ao movimento dos sentires.

Um amigo confessou-me apaixonado por uma conhecida, mas que apesar de amá-la, desistiu de nova relação por causa dos filhos. Já outro amigo diz não ter coragem de se separar da atual mulher por sentir pena dela, por gostar muito da sogra e dos familiares, que eles sentiriam muito com fim do casamento.

Alguém chegou a me dizer algo grave sobre um desejo para atual mulher, mas eu relevei por saber que o pensado foi um desesperado desejo em viver com quem realmente ama, mas a ausência de coragem para rompimentos o impede de realizar suas vontades. O que ouvi confirmou meus pensamentos de que o homem prefere suportar uma vida sem amor a investir numa nova relação.

Então pergunto. Será que o motivo desses homens não separarem das mulheres é pela comodidade de uma vida confortável? Pode ser! Eles pensam na vida de construíram juntos com a atual mulher, os bens adquiridos ao longo da convivência, além dos laços afetivos dos filhos e das famílias envolvidas.

Pode ser ainda pelo desânimo em começar tudo outra vez. Uma nova história, uma nova casa. E por muitas vezes precisar levar junto, além da amada, caso ela tenha, os filhos. Para determinados homens isso pode ser um transtorno para a paz no lar e pesar no bolso com gastos excedentes. Há também a disputa judicial com a ex-mulher. Não! É demais para homens inseguros e acomodados na vida que mesmo sem amor, tem tudo certinho do jeito que gostam.

Mas, atenção! Geralmente homens que agem assim, por medo de mudanças evitando a separação, são acometidos de depressão. Isso mesmo. Eles sinalizam esse sofrer pelos cantos, aos prantos. Alguma vez percebeu seu companheiro chorando e quando pergunta as razões daquele choro, você recebe uma resposta evasiva? Então!

A depressão geralmente é acarretada pela insatisfação com alguma coisa: o trabalho estressante, a falta de amor na relação conjugal, a baixa estima, enfim, diversos motivos. Para certificar o fator da aparente tristeza do companheiro, é só eliminar as causas. Assim poderá descobrir o que lhe entristece de fato.

Uma coisa é certa. O homem quase nunca se separa, só se for opção da mulher e não dele! Confesso não entender o porquê disso. Não sei se por medo, carência ou comodismo.Não entendo como um sexo tido como forte é incapaz de conseguir viver um amor por falta de coragem em separar e refazer a vida.

Minha amiga e querida leitora, se você está amando um homem casado e espera viver ao lado dele, se perceber variadas desculpas ou inseguranças, não se iluda. A menos que você seja uma mulher liberal, moderna e que aceite e queira ser apenas uma amante pela vida toda, invista nesta relação. Do contrário, ame-se e encontre novo amor.

Pois há homens que preferem viver numa vida confortável de mentiras a assumirem um grande amor. Se depender desses homens a relação desgastada será "juntos até que a morte os separe” ou o tédio os sufoque.

Bem, isto o que escrevo é pela visão externa analisada por uma mulher. Não tenho certeza do que vai dentro do coração e mente dos homens que enfrentam uma situação como esta explanada aqui. São apenas conjecturas femininas.

Responda você, homem, que vive um momento como este mencionado em meus questionamentos... Estou certa em minhas análises e conclusões? A resposta é sua...rs




Djanira Luz


23 de nov de 2009

VOCÊ ESTÁ VIVENDO DO JEITO QUE SONHOU?


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


VOCÊ ESTÁ VIVENDO DO JEITO QUE SONHOU?


Você já fez o balanço da sua felicidade, ou melhor, dos seus momentos felizes? Pois, a felicidade, como dizem, é a soma desses momentos.

Alguma vez percebeu que ao longo dos anos privou-se de muitos dessas prazerosas oportunidades por querer agradar ou para não decepcionar alguém e notou que boa parte da sua vida reprimiu sonhos, desejos, amores por receios, religião e tabus?

Olhando para trás, estacionando no passado e observando aqui o presente fica pensando em tudo o que abriu mão, do quanto se anulou por viver aquilo que escolheram, que lhe idealizaram sem pensar em seus interesses e reais gostos. E você foi simplesmente ingerindo placidamente essa situação palha seca, insípida, como uma boa vaquinha de Presépio que só sabe concordar sem direito a manifestar vontade própria.

Vejo muitas pessoas assim como a mansa vaca com sua vida palha seca da conformidade. Essa condição prolonga até o dia em que a vaquinha começa enxergar além do estábulo, percebendo lá adiante, no mundo que ela se permitiu ignorar, há muitas braquiárias verdinhas à sua espera para lhe saciar a ausência de sabores e esperanças em sua vida.

De fato, eu em determinadas épocas, por conceitos pré-estabelecidos ou por ideias retrógradas, me vi sufocada por fazer não o que queria para mim, mas o que me era imposto. Um tempo em que o imperialismo familiar tolhia quereres ousados, dinâmicos. Até mesmo na literatura evitei escrever textos mais sensuais, reprimindo minha arte por conta da moral e bons costumes, por não querer faltar com o respeito.

Hoje percebo meu grande erro e quanto de agressão acatei ao me reprimir tanta beleza cultural e afetiva. O desrespeito verdadeiro não foi contra minha família, foi comigo mesma. Uma violência velada que me aprisionou à ideias erradas sobre o que de fato me era belo e desejoso.

Fazer o que se gosta não é desrespeito. Desejar o que se ama, não é erro e não macula coisa qualquer. Equívoco é insistir numa vida com falsas alegrias ou histórias de fina ilusão.

Sinto que ainda é tempo para uma revolução. Não daquela rebeldia juventil de me fazer cortar os cabelos bem curtos e colorí-los de roxo ou lilás, mas de fazer o que quero, o que desejo, o que acho bom e certo para mim, sem importar com as bocas abertas das admiradas censuras. É hora de dar um basta ao ditatorismo em meus pensamentos, tirar as amarras que apagam criatividades e conquistas.

A partir de agora vou agir livremente, cega para desagrados e surda para críticas. Afinal, viver em função da opinião alheia é uma forma de escravidão. E eu não gosto de estar presa a qualquer corrente ou linha de pensamento que aprisionam, que sufocam ou enjaulam o belo e o sincero que vai em meu coração.

Caso você se identifique com o que leu e descobriu sua vida insossa, diferente do jeito que sempre quis, mas da forma como moldaram para você. Olhe para fora e veja o verde das matas, há esperança lá fora! Nunca é tarde para mudar ou rasgar antigos conceitos pré-determinados e quebrar paradigmas ultrapassados.

Felicidade é bônus, é dádiva! Então, não deixe de vivê-la por medo de romper elos. Isso mesmo! Onde existe alguém vivendo sobre pressão para satisfação alheia, as correntes que prendem, seja numa relação afetiva, numa atividade profissional ou qualquer outra esfera, esses elos só podem ser frágeis, de vidro, fáceis de serem rompidos. Nada opressivo é mais forte do que o amor ou o desejo de realizar recônditos sonhos.

Sacie suas vontades, seja feliz com suas ideias, encontre coragem para mudanças benéficas!rs


Djanira Luz


SEM HOLOFOTES NO MEIO DA MULTIDÃO...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



SEM HOLOFOTES NO MEIO DA MULTIDÃO...





Na época em que os dias da minha vida eram dourados e a timidez infantil tomava conta de mim, eu quis esconder-me no meio da multidão. Sairia do campo de visão das pessoas que se voltavam para me ver. Misturada aos tantos rostos, imaginava que ficaria invisível e ninguém me notaria.

Já mais tarde, quando a primavera floriu os meus dias com ousada segurança e delicada vaidade juvenil, desejei não mais viver no anonimato. Ao invés de ser apenas mais um rosto, quis ser O rosto na multidão. Ter todos os holofotes das atenções voltados para a minha vida. Era época de descobertas, de ser projetada para grandes vitórias. No amor e na profissão. Por isso almejei ser observada. Era a chance para a conquista do sucesso com os rapazes e ascensão profissional.

Passaram-se muitos anos entre a tímida menina e a jovem ousada. Hoje, na idade da razão, sou experiente para me descobrir simplesmente mulher que venceu seus temores com coragem para seguir em frente. Aprendi a segurar as rédeas da ousadia, dosando-a com a sobriedade. Nos meus dias não há fama nem holofotes, ainda assim, possuo a minha luz e tenho a ciência de que sou apenas mais um rosto feliz, na multidão.



Djanira Luz

22 de nov de 2009

MEU MUNDO EM SEU ROSTO (CONTO)




As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


MEU MUNDO EM SEU ROSTO ...


É incrível como havia passado por ele sem me dar conta do quanto era interessante e atraente. Bastou um esbarrão e meus papeis voarem para ouvir o mais agradável pedido de desculpas num sorriso que me ofuscou a vista de tão radiante em sinceridade.

Voltei para casa com aquela visão que se repetia como num flash de vídeo. Algumas vezes me pegava rindo sozinha em plena avenida com o canto direito dos lábios e sentia também meus olhos levemente esticados, do jeito que ficam quando muito feliz e encantada com algo especial.

Tive a impressão de que ele partiu de volta ao seu destino com o mesmo sentimento que me ocorreu naquele momento lindo. Fomos fisgados pelos olhos, enamoraram-se nossos sorrisos e o som da voz dele ficou gravado em mim. Pude ouví-lo pelo caminho que andei, na rua e dentro do corpo onde ele me percorria. E sei que a minha voz está lá bem em algum canto na vida dele.

Uma certeza me fez brotar um sorriso cheio, com vontade e alegria. Um riso de janelas e portas escancaradas como que dizendo, “venha dona Felicidade, pode entrar e fazer morada em mim, pois estou pronta para recebê-la”. É! Acho que é isso mesmo. Temos que estar preparados para abrigar uma grande quantidade de alegrias.

Aquele dia em que eu passei por aquele homem, muita coisa mudou. Depois que nos apaixonamos, ele já não é mais um rosto na multidão e sim o mundo num rosto. Porque visualizei nele, o meu mundo em sua face...


Djanira Luz

21 de nov de 2009

CONTADOR DE VISITAS












As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!





 

CONTADOR DE VISITAS

Quando comecei a postar meus textos neste Blog, nem imaginava que receberia visitas. A conselho de amigos que insistiam que eu criasse um para mim, atendendo ao apelo do meu “povo” querido e amigo criei o EM QUATRO ELEMENTOS. Sabe que me apaixonei por ele?rs É! É como um amigo mesmo que me entende e tem tudo o que gosto, por isso partilho um milésimo do que sou aqui. Parece pouco, um milésimo, mas é em relação ao mundo. Sou um milésimo do Universo, um serzinho insignificante diante a grandeza deste mundo chamado Terra. Então, poder ocupar esse pequeno número já é um privilégio para mim.
E só hoje, depois de nove meses, tempo de uma vida, atendi outra sugestão de pessoas queridas, a de adicionar o contador de visitas e a proteção anti-cópias. De onde me sai as ideias tem sempre mais, mas cada textos são como minhas digitais, são únicos e distintos, portanto, bem amados e importantes para mim. Ninguém gosta de ter filho clonado, ou melhor, de ser plagiado...rs
Obrigada, leitor querido que me prestigia com sua visita. Muitos vêm e voltam. Alguns manifestam gostares em comentários. Outros apenas olham, mas o importante é que saiam satisfeitos e que sintam o desejo de voltar!rs
Beijoquinhas com muito carinho,
Djanira Luz

A NOSSA HISTÓRIA DE AMOR...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



A NOSSA HISTÓRIA DE AMOR...


Quando me viu parecia tão feliz feito um menino que desembrulha o presente e certifica que ganhou exatamente o esperado. Havia tanto brilho em sua expressão que refletia em mim toda aquela alegria. O meu contentamento era recíproco em grau e quantidade. A vida fez-se festa naquele instante.

Os quatro elementos celebravam nosso encontro. O fogo da paixão ardia-nos de bem quereres; a água purificava-nos o corpo com a leveza do sentimento, o ar renovava a esperança de dias felizes e a terra semeava certezas de eternas horas com doces entregas físicas e espirituais.

Ainda posso vê-lo sorrindo no exato instante em que me olhou pela primeira vez. Foi um momento mágico, lúdico e lindo! Havia pureza e desejos mesclados em perfeita sintonia. Não saberia expressar com palavras as sensações do meu corpo à medida que ele aproximava-se de mim.Conforme chegava mais perto, aumentava a vontade em eternizar aquela cena e tudo o que sentia.

Meu corpo respondia de forma como nunca havia experimentado antes e pelo o que pude captar no ar romântico que se fez naquele ambiente, o meu amado manifestava igual emoção e alegria. Era amor acontecendo. Era amor confirmando. Era amor enchendo corações de vida, fazendo-os pulsar numa mesma batida e num só desejo. O da feliz entrega, o de estar junto.

Palavras fizeram-se desnecessárias. Olhares, gestos, toques foram as formas mais fáceis de comunicação e as melhores respostas a todas as nossas expectativas. Sim! Eu o amava e ele a mim. Era fato. Ele, a razão dos meus sorrisos largos em versos desajeitados e eu, suas horas encantadas em sonhos acordados.

Estamos unidos por
amor. Para sempre. Pois, eu bem sei que elos foram para não serem rompidos. Amor do jeito que nos aconteceu não é para apenas uma noite ou um dia inteiro. É para toda a vida, vivendo-o e saboreando-o a cada novo amanhecer. Porque descobrimos um no outro, um verdadeiro e gostoso amor...



Djanira Luz


20 de nov de 2009

PONHA A MÃO NA CONSCIÊNCIA!








As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




"Devemos ser a mudança que queremos ver no mundo".
(Mahatma Gandhi)


PONHA A MÃO NA CONSCIÊNCIA!


Quando escrevi a crônica “Dá licença loirinha, que esse gingado é da mulata”, onde defendia o direito da raça negra ocupar seu espaço, nem se cogitava a candidatura do Barack Hussein Obama para a presidência dos Estados Unidos, muito menos se acreditava no seu sucesso.

Essa crônica ficou na gaveta por muito tempo, até há dois meses atrás. Por indicação de um amigo, aceitei postar no site Recanto das Letras.

Duvidei da vitória do Obama, não por falta de competência dele, mas pelo povo preconceituoso daquele país, onde várias organizações apóiam a hegemonia branca, cuja sigla é” KKK” e que repudio pronunciá-la.

Com o triunfo do Obama, dar-se-á a “Ébano’s Era”... E assim espero! Mas que ela não seja sazonal, momentânea, de modismo. Pois já está sendo cogitado o primeiro ator negro a fazer parte da Telenovela “Malhação”.

Novos rostos negros irão aparecer... Que o negro seja valorizado não somente pelo cargo importante que ocupa e sim pelo valor ocupado dentro de si.

O negro é rico em fatos, tradições e heranças. Repare quanto temos e trazemos da raça negra no nosso dia-a-dia, a começar pelas palavras que utilizamos como por exemplo, quando queremos um carinho, falamos: “cafuné” ou “dengo” e temos mais: “chuchu”, “fubá”, ‘calombo” entre tantas outras influências. Sem mencionar a enorme variedade de comida que preparamos ou apreciamos.

Temos a influência da capoeira, da música tendo como base os instrumentos de percussão e o candomblé e a umbanda como religiosidade.

Portanto, convido você a “rasgar” as vestes encardidas de longos anos de preconceitos e enxergar o negro como igual, não mais com desprezo, como inferior, como menos... Pois o preconceito cheira mal, é sujo, é desprezível!

Pelo o que sofreram os negros, pelo o que até agora sofrem... A você que, mascaradamente, traz resquícios de desprezo pela raça negra... Eu peço:

- Ponha a mão na consciência e liberte o negro aprisionado pela escravidão da sua atitude preconceituosa...

***

Olha de novo: Não existem brancos, não existem amarelos, não existem negros: somos todos arco-íris....” (By Ulisses Tavares)

Djanira Luz