4 de ago de 2009

UMA QUESTÃO DE TEMPO PARA CRER EM DEUS...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


UMA QUESTÃO DE TEMPO PARA CRER EM DEUS...


Há de se tomar cuidado ao falar com uma criança. Crianças, assim como nós adultos, têm pensamentos diferentes. Cada uma acolhe informações ou novidades a seu modo.

Lembro-me bem os efeitos daquelas palavras ditas para Rosi no dia em que sua mãe morreu. Nem sempre a intenção surte efeito desejado. Por isso, depois do que a tia disse, eu penso bem antes no que direi para consolar uma criança:

“- Papai do céu levou sua mãe e agora ela é uma estrelinha olhando para você...”

Essa frase repetida por muitas pessoas para consolar uma criança que acaba de ficar órfã pode não ser bem digerida e assimilada por ela. Se Deus é um mistério para nós que o buscamos há muito tempo e, ainda assim, restam respostas que não ousamos obter, imagina uma criança de quatro anos ouvir que o “Papai do céu” nunca visto por ela, subtraiu-lhe o maior bem – sua mãe? É! Nessa idade a mãe é o abrigo, a amiga, a referência de proteção. É o anjo da guarda e é o “deus” que a protege e livra de todo o mal.

Então, como imaginar aquele Deus que dizem fazer só bondade pode ser capaz de uma maldade tão grande como a de matar a sua mãe para transformá-la em estrelinha? Um Deus malvado, egoísta que transforma pessoas em enfeites para o céu? É essa a atitude de um Deus protetor? Como pode um Deus das coisas boas fazer uma maldade dessas? É querer demais que uma criança compreenda o que o homem, apesar de toda ciência e modernidade, não consegue entender!

A menina com a raiva sincera de uma criança, desprezando as palavras de conforto da tia, chorando gritou:

“- Então, eu odeio Ele! Ele é um Deus malvado que machucou e matou minha mãe e me deixou aqui sozinha chorando...”

Rosi cresceu revoltada com as palavras erradas sobre Deus e se tornou descrente. Ateia. Ninguém conseguiu pôr em seu coração, depois daquele triste incidente, as maravilhas de se crer nEle. Embora fossem boas as intenções da tia religiosa, naquela ocasião falar de Deus para consolar só fez com que a menina se revoltasse contra Ele.

O que serve para dizer a uma criança não é regra para todas. Depende da criação, do temperamento ou de seu modo de pensar. Por isso é preciso tato para falar sobre Deus. Sobretudo com uma criança que passa por algum mau momento. Há de se respeitar o tempo de cada um. Saber a hora certa de introduzí-lo, do contrário poderemos confundir as mentes dos pequeninos.

Deus é uma busca e um encontro que deve ser feito no tempo da compreensão da idade... Concorda?rs





Djanira Luz

O SILÊNCIO GELADO DOS ANJOS...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


O SILÊNCIO GELADO DOS
ANJOS...



O primeiro sinal visível é a tristeza, depois apatia e se percebe o desânimo, os choros constantes. Por fim, as frequentes faltas ao trabalho evidenciam que algo não vai bem. Esses sintomas acometem muitos adultos.

Quando Lilly disse para mãe que queria morrer, aquelas palavras soaram como alerta. Quem pensaria que uma criança de seis anos entraria em depressão?

É que a depressão atinge todas as fases. Da infantil a senil. E não escolhe classe social. Na infância é mais difícil perceber por confundir com atitudes de uma criança hiperativa ou da rebeldia peculiar dessa idade. A criança fica agitada, agressiva, silenciosa, tem fobia do colégio e, no pior dos sintomas, tem ideias mórbidas sobre a vida (suicídio)... Existem outros sintomas, bastam esses para ficarmos alertas.

Mas, o que leva uma criança entrar em depressão? Criança não é só alegria, diversão, cuca fresca? Isso mesmo! É para ser assim. Ela entra em depressão quando sente falta de atenção dos pais e dos amigos, quando há separação dos pais, morte de alguém ou de um animal, mudanças de colégio. O tratamento para a doença deve contar com ajuda dos pais, dos professores e sobretudo, com a ajuda profissional de um psicólogo que poderá indicar um antidepressivo além de sessões de terapias.

Antes de rotular seu filho como bagunceiro, esteja atento! Aos primeiros sinais depressivos, procure ajuda de um profissional. Muitas vezes o choro excessivo pode não ser manha e a suposta preguiça de ir para o colégio pode estar mascarando sintomas de uma doença que precisa de tratamento. Depressão não é tristeza. É doença.


Você pode colaborar para que seu anjo não entre em depressão simplesmente dispensando algumas horas para brincar, conversar e rir com ele. Isso fará tão bem a ele quanto a você!rs



Djanira Luz