13 de jul de 2009

A MENTIRA DO PINÓQUIO , A VERDADE DE TODOS NÓS!



A MENTIRA DO , A VERDADE DE TODOS NÓS!



Ontem relendo para meu filho a história Pinochio do escritor italiano Carlo Lorenzini, cujo pseudônimo é Carlo Collodi, fiquei fazendo uma comparação com as características do boneco com as do ser humano. Depois imaginei que, talvez, o autor tenha se valido delas para compor a sua personagem...

Veja bem! Há verdades que nos servem nas mentiras do Pinóquio. A verdade física é que assim como o do boneco, o nariz humano não para de crescer. As verdades morais são que nunca deixaremos de mentir e muitas vezes nos valemos da cara de pau com verdadeiro desembaraço diante dos maiores apertos.

Será que é por causa da mentira que nosso nariz não pára de crescer? E mesmo sabendo que estamos errados mantemos aquela postura de bom samaritano, aquela cara de pau duma figa de guiné? Só pode!

Fiquei matutando sobre a figura do Pinóquio e me perguntei quando a mentira torna-se necessária? Não sei se necessitamos mentir, sei que já menti algumas vezes. Levei culpa que não era minha para que meus irmãos mais velhos não tivessem castigos. Como minha avó dizia... “Uma santa mentira”, se é que existe mentira boa...

Quem teria coragem de dizer a verdade quando uma amiga vem feliz da vida com aquela roupa parecendo fantasia de carnaval para a festa de quinze anos da filha, depois de pagar caro pelo traje, chega perguntando:

“- E aí? Não ficou lindo o meu vestido? Pode dizer!!!”

Você teria coragem de dizer-lhe a verdade e tiraria aquela expressão feliz dela ou se valeria de uma mentirinha-de-nada-não-faz-mal?

Há aqueles que mentem para si mesmos. Quantos dizem “odeio aquela mulher”, “eu não o amo mais”, “não gostava mesmo daquele carro”, dizem o contrário do que sentem na tola tentativa de convencer ser verdadeiro o que dizem e não o que sentem.

Outros fazem a mentira crescer feito o nariz. É aquela mentira que nunca para de crescer e vai ficando cada dia mais feia. Em caso de traições, filhos que enganam os pais são alguns desses exemplos.

Tem o mentiroso com complexo de inferioridade. Por ser desprovido de qualidades ou bens materiais, inventa e mente possuir algo ou características iguais ou melhores de outras pessoas. É o digno de compaixão e o mais fácil de ser descobertos os logros.

O mentiroso de má índole é o pior porque está sempre disposto a tirar proveito de alguém ou de alguma situação. Nesse caso a mentira é intencional e direciona apenas para prejudicar, subtrair, para levar vantagens.

Esses são alguns tipos de mentirosos. Se você quiser ter a certeza de estar diante de um, basta atentar para este detalhe... A verdade é soberana e uma só.

Quem fala a verdade vai repeti-la seja no dia seguinte, seja daqui a um ano. Quem mente esquece do que falou por falar várias “verdades”. Faça um teste! Lembra daquela desculpa que você ouviu e ficou na sua garganta feito espinha de peixe que não desceu nem engolindo um punhado de farinha seca? Então! Faça a mesma pergunta e ouvirá outra versão para a mesma situação... Eis a mentira revelada!

É fácil desmascarar um mentiroso porque, geralmente, ele não lembra das tantas mentiras ditas e por não perceber seu engano, acaba sempre entregando seu deslize de bandeja.

Então, mentirosos de plantão, o bom é não mentir, é ser autêntico. Mas, se for mentir que minta bem. Agora for mentir para alguém como eu que atenta para as minúcias, você vai precisar mentir bem melhor ainda!

Eu não sinto saudade de ninguém... Ah, isso foi uma mentira!rs






Djanira Luz