31 de dez de 2009

FAZ-DE-CONTA QUE É VERDADE!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




FAZ-DE-CONTA QUE É VERDADE!



Faz-de-conta que de novo sou criança
que meus problemas voaram embora
que vivo num mundo só de esperança
que todo mundo ri, ninguém chora!

Joga na cabeça o pó de pirlimpimpim
que o Peter Pan emprestou para Emília
diz que a felicidade sim não tem fim
e que o mundo é uma grande família!

Usa a vara encantada da Fada Madrinha
diz que os sonhos serão verdadeiros
que há fé em sua vida, também na minha
e que os amigos são leais companheiros!

Esfrega a lâmpada do Aladim, tem magia
faz um pedido para curar a dor da alma,
e a que dói o corpo, pede só alegria
que o homem saiba conviver com calma...

Convoca do céu todos os alegres anjos
e da terra quem traz no coração a mágica
de fazer sorrir até mesmo os marmanjos
livrando-os das dores da vida trágica...

É isto que desejo sem engodo, de verdade
que a Vida na Terra mesmo se renove
com Paz, Amor, Esperança e Felicidade
no ano que vai nascer só love, love, love!



Com carinho e doçura, meu abraço afetuoso a você, leitor(a) querido (a)!

Que Deus renove em nossos corações o desejo de ajudar o próximo, de lutar por um mundo mais justo onde as diferenças sejam diminutas a cada ano e que possamos viver
Momentos de plenas realizações e conquistas!!!

Ser FELIZ é dez! Seja FELIZ em 2010! rsrs

Djanira Luz

SER FELIZ É 10, SEJA FELIZ EM 2010!









As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


Para você internauta que me lê e para você que me acompanha, o meu desejo é para que o Novo Ano nos chegue carregado de boas novidades, com grandes conquistas e merecidas vitórias. Que haja muito amor no seu caminho amor, quem sabe encontre até um grande e verdadeiro amor!rs

Espero que a força da Terra sustente seus pés e projetos para que sejam sólidos e edificantes, que a leveza do Ar conserve sereno seus pensamentos, dando-lhe calma e paz; que a Água refresque sua vida fazendo que caminhe por rios de águas calmas e cristalinas e que o Fogo acenda o amor em tudo e por tudo aquilo que queira conquistar!

Estes são os mais puros e sinceros desejos do Blog EM QUATRO ELEMENTOS para o ano de 2010!

SER FELIZ É 10, SEJA FELIZ EM 2010!rs

QUERO COMER PERU DE NATAL NO ANO NOVO!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




QUERO COMER PERU DE NATAL NO ANO NOVO!



- Quero comer peru de Natal no dia de Ano Novo! – Disse convicto.


- Meu bem, vamos comer pernil assado. No Natal comemos muito peru. E também dizem que se comermos animal que cisca para trás, nada dá certo no Novo Ano! É melhor não arriscar e comermos o pernil. – Tentou convencer.


Mas, o menino não queria saber de superstições. Queria peru e pronto! Naquela noite de trinta um de dezembro estava determinado a saborear um delicioso peru recheado como comera no Natal. Em protesto, ele rebateu as considerações da mãe:

- Eu não quero saber de azar, nem acredito nessas coisas, mãe! Quero comer peru de Natal!

A amiga da mãe intrometeu-se:

- Iiiiiihh, Rosa, convença-o a mudar de ideia, pois do contrário pode contar com um ano em que tudo vai dar para trás!

- Lena, sabe de uma coisa? Eu vou é fazer a vontade desse menino! Pior do que ter azar é morrer de remorso em não atender ao pedido dele. Ficar um ano, quiçá a vida toda ouvindo reclamação do filho pelo trauma de ter negado um simples pedido é que não vou. Além do mais, eu já cansei de comer lentilhas para aumentar números na minha conta bancária e aconteceu justo de aumentar o número de contas a pagar. Até a iluminação pública agora é por conta do povo. Vou comprar o peru sim! – Disse a mãe determinada.

- Você é quem sabe, Rosa! Depois não vai ficar chorando ano ruim... – Alertou amiga Lena.

- Nada... Vai dar tudo certo, fique tranquila! – A mãe pegou a bolsa e saiu para o supermercado.

Rosa escolheu o peru, verificou a data, a marca. Sentiu mais o peso do bolso do que do peru na hora de pagar. Poderia ter optado pelo Chester, pois o valor a ser pago daria para levar dois frangões não fosse a cisma que tinha com aquela ave “bombada”, ou seja melhorada geneticamente.

No dia seguinte, Rosa colocou o peru sobre a pia da cozinha, olhou para aquele bípede enorme e resolveu ter uma conversa franca com o peru antes de começar a prepará-lo:

- Escuta aqui “seu” Peru... Primeiro peço desculpas por comê-lo, entenda que é por sobrevivência da lei da selva de pedra e não por maldade ou vaidades. Tentei ser vegetariana, mas as plantinhas também são nossas irmãs, seres vivos e sendo assim, já que não parei de comer vegetais, não há motivos para não saborear algo tão saboroso como o senhor, entende? Pois bem!

A mãe sentiu-se um pouco ridícula ali diante da ave morta num monológo incomum.

“- Devo estar doida, falando com uma ave morta!” – Pensou . E continuou falando com o peru congelado:

- É o seguinte, seu Peru, antes de vir parar no céu da minha boca, vou pedir-lhe um favorzinho. Reza a lenda que se comermos o senhor na noite de trinta e um de dezembro, nossa vida desanda, dá tudo para trás no ano seguinte.

Então, peço para que ao invés de ciscar para trás meus projetos e toda minha sorte, cisca tudo o que for de ruim, de negativo da minha vida. Cisca bem ciscado e deixa para longe de mim, para trás em dois mil e nove tudo que foi ruim ou seria azar em dois mil e dez, ok? Então, está feito! Obrigada.


Rosa preparou o peru com todo carinho e temperos para o filho querido. Na hora da ceia, saboreou junto com o menino que estava satisfeito.

A amiga Lena, disse:

- Rosa, que coragem!

- Deixa de bobagem e prova, Lena! Azar ou sorte é tudo da nossa mente. Se você acredita que terá sorte, sorte terá. Se acredita no azar, ele será entregue na sua porta. – Rosa ria feliz.

Lena pensou:

“- Rosa tem razão! Nada pode determinar nossa felicidade se fizermos algo por ato de amor. Rosa quebrou uma tradição por amor ao filho.”

E Lena, foi saborear o peru que ciscou para trás todo azar e não a sorte daquela família!





Djanira Luz

30 de dez de 2009

ALÉM DO QUE OS OLHOS VEEM(FOTOpoema)



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!





ALÉM DO QUE OS OLHOS VEEM(FOTOpoema)


O que haverá amanhã, além do horizonte
quando o Novo Ano encontrar-me defronte...
Por águas tranquilas e cristalinas caminharei
com qual cor de tinta minha vida pintarei?






2010, UM DESEJO PARA O NOVO ANO!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




2010,
UM DESEJO PARA O NOVO ANO!


Entra ano, sai ano e todo início, seja anotando em agenda virtual ou de papel, ou simplesmente arquivando na memória cerebral, lá vamos nós com uma lista de desejos a serem realizados.

É chegada a hora do planejamento, de pôr o pé na estrada, de correr atrás dos novos sonhos que hão de surgir ou daquilo que ficou para trás sem desfecho ou solução.

Quer saber? Este ano faça diferente! Ao invés de ficar com a frustração por olhar para os dias idos e perceber não ter conseguido realizar ou apenas ter realizado um ou dois, no máximo, dos sonhos que jurou conquistar; a partir de agora e dos anos seguintes, atenha-se a um único desejo. Aquele que seja mais importante para mudar sua vida.

Mas, veja bem! Não adianta ficar só torcendo, rezando, mentalizando para efetivar o seu desejo. Quer com toda força e coração ser atendido no seu pedido? Então é preciso que arregace as mangas, que vá a luta, que faça acontecer!

Pensar positivamente é o primeiro passo para a conquista. Depois de mentalizar com entusiasmo, pense no que de real poderá fazer contribuindo a alcançar seus projetos. Seja conseguir um novo emprego, voltar a estudar, comprar uma casa, trocar o carro por um modelo mais moderno ou mesmo conquistar um amor que lhe faça feliz. Não importa o que seja. Claro que algo concreto como adquirir um objeto é mais possível do que arranjar um amor especial. Mas, nada é impossível! Nada mesmo. Acredite-me!

Atente para este ternário querer-acreditar-conseguir. Agora leia de trás para frente minha explicação. Você só vai conseguir conquistar seus sonhos se acreditar com toda força interior e se tiver a real certeza desse querer.

Não possuo poderes mágicos, tampouco bola de cristal para prever o amanhã. Preservo apenas a visão de que abastecida de bons pensamentos e força de vontade, terei todos os recursos necessários para realizar meus mais recônditos sonhos.

Vou mentalizar, acreditar e conseguir, pois tenho certeza daquilo que desejo para mim! E você?rs


Imagem da busca Google - Obs. Onde lê-se "Vc conseguirás" , leia "Vc conseguirá".rs Obrigada!
Djanira Luz

29 de dez de 2009

MÁSCARA... DÁ LIBERDADE E PODER?


Foto do meu arquivo pessoal. A verdadeira bruxa está detrás da máscara...rsrs


MÁSCARA... DÁ LIBERDADE E PODER?




Já experimentou colocar uma máscara? É! Pode ser aquelas de carnaval que cobre todo rosto, deixando apenas os olhos à mostra e um orificiozinho na direção do nariz. Sabe qual a sensação que tive? De que podia tudo! Senti como se ninguém pudesse me impedir de fazer tudo aquilo que secretamente desejava e não tinha coragem de fazer desprovida da máscara.

A máscara causou-me certo medo, pois fui acometida por pensamentos devassos. Senti poder em mim. Estranho, não? Pois é... A mente é uma caixinha de surpresas. Quando somos conscientes de nossos atos, controlamos vontades, desejos. Freamos os impulsos. Mas, é só ficar detrás de uma máscara com a impressão de invisibilidade, os pensamentos divagam e podem mesmo assustar.

Por isso que os Super-Heróis usam máscaras. Além de ocultar a verdadeira identidade, dão neles a sensação de poder, de invencibilidade. Foi justo o que senti provida de uma máscara...

Muita gente usa, simbolicamente, máscaras. Seja para enfrentar os problemas diários, para disfarçar uma íntima dor ou para poder expor tudo o que deseja sem que saibam quem realmente é. Cada um sabe quando e como usar a sua máscara. É válido desde que não seja usada para o mal, para denegrir ou magoar o outro.

O disfarce nocivo, uma hora é revelado. Será que uma pessoa usa a máscara para liberar o que tem dentro de si ou a máscara transforma até a pessoa mais sensata em algo jamais imaginável? Creio que tem haver com a índole. É o que difere o Super-Herói do Vilão. Ambos usam máscaras, cada um com o propósito determinado.

E você... Usa, usou ou usará máscara? Se usar, toma conta para que ela não venha a cair...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


Djanira Luz

ADOÇÃO, MÃES E AQUELAS QUE APENAS DÃO À LUZ...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!





ADOÇÃO, MÃES E AQUELAS QUE APENAS DÃO À LUZ...



Quando um ser racional ou não é abandonado, pensa-se logo em adoção. Um lar onde esse serzinho possa ser acolhido, amado, respeitado. Então, quis falar sobre adoção e gratidão porque presenciei um fato que me fez pensar sobre MÃES e mulheres que dão à luz. Sim, infelizmente há uma diferença e longa distância entre elas...

No final do ano passado, a gorila Monifa após o parto abandonou o seu filho no Zoo de São Francisco nos Estados Unidos. Ele está sendo bem cuidado pelos veterinários e funcionários do Zoo.

Isso não é uma atitude normal dos gorilas. As mamães gorilas só abandonam seus filhotes quando eles nascem com algum defeito físico, ou seja, com anomalias nos membros ou algum tumor.

Lamentavelmente, temos assistido inúmeras atitudes irracionais de mulheres “racionais”. Será mesmo que são racionais, que têm consciência do que fazem!!?? Mulheres que fazem barbaridades com o próprio e “bendito fruto do seu ventre”. Uma crueza tamanha, uma frieza de sentimentos. Aliás, parecem desprovidas de amor, de amor materno, de consciência... Só posso pensar desta maneira com tantas mulheres jogando seus bebês em lixos, rios, abandonando dentro de carros e, até mesmo cometendo homicídios. Enquanto algumas mulheres lutam, sofrem para conseguir engravidar e quando não conseguem, ficam na fila burocrática para tentar adotar uma criança.

Um casal muito agradável, amoroso e generoso, depois de cinco anos tentando engravidar, descobriu que não havia jeito. Optaram por adotar uma criança. A única exigência deles era em relação à idade. Queriam um bebê para que sentissem e curtissem toda a fase como se fosse filho legítimo e não somente filho gerado no coração. Não importava a cor, sexo, regionalidade. Nada. Apenas um filho. Era o esse o desejo daquele casal. Ela, trinta e cinco anos; ele quarenta.

Lembro quando aquele bebê de dois meses chegou na casa deles.
Desnutrido, com manchas pelo corpo todo, muitas crostas na cabecinha. Era um menino lindo. Como podem abandonar uma criança tão linda numa delegacia? Todos os bebês são lindos, são anjos. Mas, aquele tinha os olhos tão verdes que lhe dava o olhar ainda mais belo e angelical. Depois de todos o trâmites legais, o menino foi realmente adotado pelo casal que não cabia em si de tanta felicidade.

Felicidade que agora tinha nome, cor, sexo e que preenchia-lhes o coração e a casa. Dele e dela.

Fizeram de tudo para ele. Educaram com amor, atenção. O menino cresceu frequentando os melhores colégios da cidade, tinha bom círculo de amizade. Pelo exemplo de casa, aquela criança crescera sem vícios do álcool e do fumo.

O casal só cometeu um pequeno erro. Omitiu o fato da adoção temendo que a criança entrasse em depressão. Adiaram até que ele completasse dezoito anos. Estava no quarto período do curso de Medicina quando ficou ciente da sua origem.

Não assimilei bem a atitude daquele belo rapaz... Teve amor, teve abrigo, abraço e tudo isso não o coibiu de usar de ingratidão com os pais adotivos. Revoltou-se, ofendeu, magoou, quis partir em busca da mulher que o abandonara numa lixeira de uma delegacia... Para quê?

Tudo bem que é um choque... Quem passa por isso deve sentir-se rejeitado, um peso, um objeto descartável, não dá para precisar o que se passa na mente dessa pessoa, não dá...

Por outro lado, por que não pensar: “-Puxa... Como sou uma pessoa de sorte! Imagino como teria sido minha vida se eu fosse parar num desses orfanatos da cidade... Minha sorte deveria ter sido outra. Olha para mim, vou ser um médico! Poderei curar doenças, salvar vidas, ser algo digno... Tudo graças a esse casal fantástico que teve a coragem de me adotar e me amou sem mesmo ter me visto...”.

Há quem seja grato, que reconheça a grandiosidade do amor de quem adota. Vê ali um amor desinteressado. O normal, porém, é a revolta, a ingratidão.

Sobre adoções, sei também que muitas famílias adotam para que a criança, geralmente menina, sirva de empregada. Para que faça os afazeres do lar. Em casos assim, é até natural que a pessoa se revolte quando da descoberta da adoção. Ainda assim, conheci uma pessoa que mesmo sendo “feita” de empregada, nutria um amor desmedido e gratidão pela família. Quando recordo dela, as palavras dignidade, honradez e gratidão ficam pequenas e desmerecidas para qualificá-la. Disse-me uma vez, diante da minha indignação por conhecer a situação dela naquela casa:

“- Não... Eu sou muito agradecida deles! Foi Deus quem colocou aquela família na minha vida, moça... Imagine que eu sendo do norte e sem cultura estaria na rua vendendo meu corpo, sendo viciada. Hoje até estou estudando, terminando o segundo grau.”

Aos vinte nove anos, depois que os filhos legítimos se formaram doutores, é que essa mulher adotada pôde voltar aos estudos e sem qualquer sinal de mágoa ou tristeza. Pude ver nela apenas amor e gratidão. E aquele filho do casal, depois de ferir o coração-ventre da mãe e do pai, arrependeu-se e manifestou o esperado: Reconhecimento.

Voltando para o caso do gorila abandonado, mesmo rejeitado pela mãe, ao receber os cuidados dos veterinários e funcionários do Zoológico, aceitou o carinho, retribuiu os abraços... E olha que se trata de um animal irracional, ele não pensa!

Sei que pode ser dura a verdade, a sua vida, a sua realidade. Pense bem em suas atitudes, sobretudo se descobriu que é adotado. Tem sido grato com o que tem? Você age como um animal racional ou irracional?



Djanira Luz

28 de dez de 2009

NA DOSE CERTA PARA SER FELIZ!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


NA DOSE CERTA PARA SER FELIZ!


O sal do bacalháu me fez pensar no quanto fazem mal os excessos. Tudo na vida se fizermos uso abusivo causa-nos problemas. O sal, o açúcar, a gordura, cito aqui como exemplos, se usados desmedidamente estragam os alimentos e prejudicam a saúde do corpo. Acho lúcida e apropriada a frase “o que faz o veneno é a dose”, pois tudo na medida certa só faz bem.

Em doses exatas, o açúcar serve como fonte de energia, seu excesso pode aumentar os níveis de glicose ocasionando outras complicações. Mais do que o desconforto da obesidade é o perigo do diabetes. Agora, exagerar no sal, além de estragar a comida é perigoso aumentar a pressão arterial e abusar da gordura além de tornar o alimento enjoativo, eleva os níveis de colesterol
causando-nos sérios problemas de saúde.

Existem também os exageros em nossas emoções que abalam a saúde. Sentir ódio, medo, inveja, mágoas, revoltas, amarguras, ansiedade, irritabilidade, insatisfações podem desenvolver doenças psicossomáticas em diversos sistemas do nosso corpo. Muitas pessoas saudáveis depois de algum grande aborrecimento ou insatisfação sofrem de problemas que podem ser gastrointestinais, dermatológicos, nas articulações ou no sistema nervoso, entre outros.

Cientes de que esses excessos nos são prejudiciais, é bom que tomemos a sábia decisão optando por uma alimentação na medida certa para o corpo e conservarmos boas ideias em mente se quisermos continuar saudáveis.

Estou resoluta que vou dosar bem meus sentimentos!
Eliminarei palavras feias e nocivas que possam prejudicar a mim e aos que me rodeiam e me querem bem. Prometi a mim mesma que farei uso demasiadamente com grande frequência do amor, da alegria, da esperança, da fé em Deus, da fé também nas pessoas de bom coração e bem intencionadas.

Acima de tudo, para conservar meu coração alegre e otimista como sempre usarei uma medida exagerada do perdão para que eu nunca seja contaminada por sentimentos pequenos e danosos, pois a vida é muito linda e curta para perdermos tempo e momentos felizes com futilidades insignificantes. Nada no mundo é mais belo do que um coração onde o perdão habita sereno em paz, pronto para voar leve e livre de rancores que aprisionam.

Enfim, no próximo ano quero continuar sendo do jeito que sou hoje, melhorando a cada novo dia do amanhã no Ano Bom que virá.

Leitor querido, harmonize-se em 2010 e que seja assim, na dose certa para ser Feliz!!!rs



Djanira Luz

BÊNÇÃO DA SENHORA DAS ÁGUAS...(FOTOpoema)


As
imagens desta página foram retiradas da busca Google. Caso seja sua
criação e não autorize postá-la, avise-me que retirarei imediatamente.
Obrigada!



BÊNÇÃO DA SENHORA DAS ÁGUAS...(FOTOpoema)

Para ter um ano maravilhoso sob encomenda
Farei ao mar minha homenagem e oferenda
Leva, Senhora das águas para as profundezas
Todas as perdas, melancolias e incertezas
Traga-me um Novo Ano alegre, abençoado
Afasta-me do fracasso, da dor, do mau olhado
Purifica-me com tuas águas frescas e cristalinas
Refrigera-me a vida com iluminada e bela sina!



Feliz Novo Ano! Ser Feliz é 10! Seja Feliz em 2010!rs

27 de dez de 2009

MUDANÇAS BENÉFICAS!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




MUDANÇAS BENÉFICAS!


Acho muito chato desarmonia. Embora que muitas vezes é preciso bagunçar antes uma situação para que encontremos o equilíbrio, a paz e a harmonia. É desagradável desentendimentos, seja entre parentes, entre amigos ou entre casais. Outro dia passei por um momento assim e infelizmente a solução foi a ruptura de uma amizade .

Uma das coisas que mais prezo é a elegância no trato com as pessoas e a educação refinada. E antes de decidir afastar-me dessa pessoa, pensei muito. Por fim, vi que o mais sensato era mesmo manter-me longe.

Por conta disto, deste lamentável acontecimento, comecei a fazer um balancete da minha vida e das coisas que venho entalando na garganta, daquilo que vou suportando para não criar um clima desagradável. Mas, eu me pergunto, “vale a pena tolerar, engolir sapos em relação a amizade?”. Eu mesma respondo. “Não!” Não vale porque se o amigo não for capaz de entender as ponderações, nunca houve amizade sincera. Entre amigos, ambos devem ceder. Uma hora sabendo ouvir, outra hora sabendo falar. E saber que sinceridade não significa ser ignorante falando de maneira que agrida.

Grande erro é nos dirigirmos ao outro com a ideia que ele pensa do nosso mesmo jeito. Parte dos desentendimentos entre amigos e familiares é justo este. De usarmos palavras ríspidas, impensadas crendo que o outro irá nos entender.

Quer um conselho? Não aja assim. Você correrá o risco de acabar como eu, preferindo ficar sem o “amigo” por ele não saber fazer bem o uso das palavras. Muitas vezes a pessoa que dispara ofensas soberbas é tão arrogante que não se importa com as perdas sentimentais, pois sente prazer em dominar, em ditar regras. Fica
cego não percebendo o mal que faz sufocando falas e tapando ouvidos para o diálogo, para a aceitação de que mudanças devem ser feitas. Quem fala e ouve educadamente, atinge muito mais distâncias sem romper amizades.

Por isso que aproveito os últimos dias para rever conceitos. Para mim algo ficou bem claro para o que não quero no ano que vai nascer. Não desejo aguentar nada que me desagrade para não perder amigos. Vou continuar sendo como sou. Sincera e franca com elegância e educação sempre. Não vou deixar de falar o que penso ou o que gosto ou não gosto. Quero continuar sendo livre para o sentir, para o gostar, para o querer sem temer ser hostilizada, repreendida ou mal interpretada.

No próximo ano vou ser mais preto no branco, ou seja, quero fazer só aquilo que realmente me agradar. E também pretendo estar com quem saiba ouvir, porém, mais do que isso, quero estar junto a quem saiba falar. Pois já basta no ambiente de trabalho que somos obrigados a engolir sapos e ficar com espinhas de descontentamentos na garganta.

No meu dia-a-dia, quero ser autêntica, mais livre e feliz como é bom viver! Sou agradável com todos e espero ser retribuída com igual moeda. Não gosto de ser pressionada, cobrada, policiada ou ofendida.

Nem panela aguenta pressão. Chega um momento em que até ela mesma chia! E eu quero mais é ser feliz dando os meus chiados quando algo estiver me incomodando. Eu é que não vou ficar me explodindo à toa por aí...rs

Djanira Luz


23 de dez de 2009

NATAL, AMOR EM FAMÍLIA...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


NATAL, AMOR EM FAMÍLIA...


A família de José e Maria ficou completa com a chegada o Menino Jesus. Durante todo ano, sobretudo no Natal, só consigo me sentir completa se reunida com minha família. Talvez seja este o exemplo que seguimos do pequeno Menino, o de unir laços, reforçar elos. Família reunida num bem comum, o da partilha - do alimento do corpo e da alma.

Antes da Ceia natalina há todo um ritual entre os familiares. O da preparação dos pratos para a Ceia. E o bom é justo esse contato entre parentes envolvidos com amor preparando as iguarias. É muito mais do que simplesmente que lavar, picar, temperar, cozer ou assar. Existe o rito da doação e disponibilidade do tempo, da paciência em desenvolver várias receitas, há o calor das mãos e do coração que amassam a panetone, que fatiam delicadamente o pão para a rabanada.

É muito bom quando na correria da cozinha vimos rostos sorrindo, fazendo tudo com cuidado e delicadeza na intenção de que tudo saia bem e saboroso para ser apreciado por toda família mais tarde. Nessa hora posso sentir o verdadeiro sentindo do Natal, pois nada sairia bem nem a tempo não fosse a união, o trabalho fraterno, a solidariedade entre os responsáveis pelo preparo dos alimentos.

Seria muito mais fácil, menos trabalhoso e cansativo se encomendassem os alimentos para a Ceia, mas perderiam a oportunidade dessa confraternização do esforço que nos aproxima, que nos faz exercitar a paciência em tolerar o cansaço e o calor.

Nesses pequenos gestos vejo como o mundo seria muito melhor se no local de trabalho agíssemos como numa cozinha em dias de Natal. Se suportássemos o desconforto das horas em pé ou o abuso do trabalho extra nos fins de semana, tolerar o barulho dos aparelhos eletrônicos ou falatórios ofensivos dos colegas, abrandar as lágrimas pela queimadura na panela quente ou pela língua ácida do chefe.

Sim! Penso que um mundo de paz e mais bonito é possível se levarmos as experiências da família e estendê-las para além dos muros da casa.

Amanhã eu irei para casa dos meus pais e lá, com minha família reunida, iremos preparar vários pratos e vou adorar apesar do calor e do cansaço, pois bem sei que mais do que todo o trabalho a ser realizado, há muito mais prazer e carinho num simples gesto de preparar a Ceia do Natal.

Entre um tempero e outro, entre o preparo do creme de nozes e a bacalhoada, há amor sendo partilhado, provado e reforçado...rs

FELIZ E ABENÇOADO NATAL PARA VOCÊ DO OUTRO LADO DA TELA!rs

Beijoquinhas.


Djanira Luz

22 de dez de 2009

O Orgulho e a Solidão...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


O Orgulho e a Solidão...


A festa estava animada na casa do Otimismo. Alegria, Sonhos, Conquistas, Vitórias, Fé, Sucesso, Amor e todos os outros amigos bem intencionados sorriam e conversavam entusiasmadamente.

Num canto da casa arrogantemente, o Orgulho isolava-se por acreditar superior a qualquer um que se encontrava naquele agradável ambiente.

Orgulho ladeado pela Inveja doentia só sabia engrandecer suas qualidades, dizendo:

-
Nossa! Que festinha mais sem graça! Se ficasse por minha conta, seria um escândalo! Ah, porque EU faço caprichado, porque EU sou melhor para organizar uma festa... – E ficava numa soberba de EU, EU, EU que nem mesmo as criaturas mais deselegantes como Inveja suportava ouvir.

A Inveja roendo unhas pela beleza e alegria visível. Da festa e dos convidados, disse cheia dela mesma para o Orgulho:

- Deixa de ser metido, Orgulho! É claro que esta festa está uma porcaria, mas você também não é lá essas coisas todas que está se promovendo! E retirou-se deixando o Orgulho na companhia da triste e silenciosa Solidão que lentamente aproximava-se.

Abandonado pela única amiga que tolerava seus dissabores, sufocado por não ter em quem espezinhar, em quem destilar o veneno ríspido das suas palavras, tendo ao lado somente a muda Solidão, com arrogância ainda ousou dizer pela partida inesperada da Inveja:

- Dane-se! Eu me basto!

A Solidão que nada diz, olhou com certa compaixão para o Orgulho e num esforço imenso, juntou umas palavras para tentar mudar o pensamento egocêntrico do seu companheiro casual:

- Caro Orgulho, se não mudares teu pensamento, se não agires como o Otimismo que brilha com boas intenções; se não adoçares tuas falas como a Alegria, provarás do teu próprio fel... Modifica teu agir, faça uso da humildade. Aceita que também és falho. E deixa dessas ideias errôneas de se achar perfeição. Por ser detentor de grandes riquezas e conhecimentos não te coloques acima de ninguém e não queiras ter amigos debaixo dos teus pés. Se não mudares tua conduta, não serás feliz. E teus amigos hão de se afastar de ti... A única companhia que terás por toda a vida, serei eu, a fria e absorta Solidão.

De nada valeram os singulares conselhos da discreta Solidão. Garboso que só ele, o Orgulho permaneceu indiferente ao que ouvira. Mesmo ante as sábias ponderações da única companhia, ele se manteve superior, arrogante, crendo ser o melhor de todos naquela alegre e bonita festa.

Tolo engano! Dentre os convivas, o Orgulho era quem tinha as feições mais desagradáveis. Todos o repudiavam, pois sua aparência afastava qualquer possibilidade de contato amistoso. Ninguém desejava aproximar-se de um ser tão deselegante, ainda que trajasse as mais belas e caras vestes. De nada vale o belo externo se o interno é feio e visível aos bons olhares de um puro coração.

A Beleza, a Alegria, o Amor, a Esperança, os Sonhos e todos os outros bondosos sentimentos sabiam que onde há Orgulho dificilmente há Alegria, Felicidade, Fraternidade, União.

Por isso que por onde quer que vá, em qualquer evento no mundo inteiro, o Orgulho é visto abandonado, tendo por companhia unicamente, a Solidão.




Djanira Luz

UMA NOVA CHEGADA! (FOTOpoema)



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



UMA NOVA CHEGADA! (FOTOpoema)


Uma alegre corrida
Um salto pela vida
Um Novo Ano à vista
Planos e conquistas...

Djanira Luz

21 de dez de 2009

POR UMA CENA OU DANÇA APENAS...



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


POR UMA CENA OU DANÇA APENAS...



Não sinto inveja de nada, nem de ninguém. Eu admiro. Acontece que outro dia enquanto assistia pela nem sei quantas vezes o filme No Ritmo da Dança (Dance With Me), com a atriz Vanessa L. Williams me fez desejar estar no lugar dela. Ser a Vanessa e dançar tão lindamente nem que fosse por uma cena ou uma dança inteira. Adoro filmes de dança! Tudo o que tem de musical e que envolva dança, não perco.

Particularmente esse filme mexe deveras comigo, onde a história de amor é tão envolvente e quente quanto a dança. Assistindo sentia mesmo viver aquele momento intenso e maravilhosamente encenado. No amor e nos passos rítmicos.

Não cobicei a beleza ou fama da atriz e sim a possibilidade de como ela, fazer o que se gosta, de estar e ficar com quem se ama. Raro é unir e conquistar paixões e amor. Paixão por algo que nos seja agradável e amor pela pessoa que desejamos viver com um querer que dure para sempre ao nosso lado.

Mas, ainda assim não sendo a atriz, danço diariamente para manter o coração alegre, mesmo que bailem somente minhas ideias na cabeça ajudando-me a construir textos ritmados em prosas, sonhos e poesias com vontades concretadas de realizações...rs




Djanira Luz

AVENTUREIRA! (FOTOpoema)



As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




AVENTUREIRA! (FOTOpoema)


Seja o que Deus quiser
Na estrada vou pôr o pé!
Farei uma cara de durona
Para conseguir uma carona.
Na cabeça desejos e coragem
E experiências na bagagem...
Sou valente desde de menina
Conquistar sonhos é minha sina!
Partirei para a grande cidade
Encontrarei a minha felicidade.
A vida nova irá me abençoar
Um belo amor hei de encontrar!


Djanira Luz

19 de dez de 2009

AINDA ACREDITO EM DIAS MELHORES NOS AMANHÃS!

Alinhar à esquerda


A imagem acima é de uma campanha do Bradesco de 1986.


AINDA ACREDITO EM DIAS MELHORES NOS AMANHÃS!


Enquanto recheiam meias com dinheiros, eu guardo nelas meus sonhos e ainda espero que numa noite especial de Natal o Bom Velhinho transforme desejos em realidades.

Enquanto ambicionam riquezas, almejo conquistar um amor que me seja caro tanto quanto o mais puro e valoroso ouro.

Enquanto modificam a aparência em busca da perfeição física, procuro conservar ilibada minha ética e minha alma com belezas que o olho não vê, mas o coração sente.

Enquanto intoxicam mentes com drogas destrutivas, procuro purificar meus pensamentos conservando-os lúcidos e serenos com intuito de atingir meus objetivos em ver no mundo dias de paz.

Enquanto embriagam-se com vícios que entorpecem ideias, inebrio-me da pureza inocente buscando soluções onde ninguém mais acredita que se possa encontrar.

Enquanto arrancam árvores nas matas, destruindo a Natureza soberana, semeio flores em meu coração para que floresçam palavras de estímulo a serem distribuídas ao mundo como um bem maior a ser partilhado noutros corações e, assim, no Novo Ano que nascer, cresçam frutos de belas ações e atitudes saudáveis para que a colheita seja farta com a firme promessa de dias plenos de beleza, paz, saúde, união, respeito, acima de tudo, muito amor.

Enquanto desistem do belo que é viver, renasce em mim a cada manhã a alegria e a vontade de continuar tentado ser feliz a todo instante...

E assim desejo Feliz e Santo Natal, um Abençoado Ano Novo a todos os cantos do Universo. Minhas palavras seguem como abraços e beijoquinhas alegres e verdadeiras para você, leitor querido!rs

SER FELIZ É 10! SEJA FELIZ EM 2010!rs


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


Djanira Luz

18 de dez de 2009

A CHUVA MADRINHA!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



A CHUVA MADRINHA! (Crônica de humor)

Duas mulheres. Irmãs e amigas que se amam. O riso solto, alegria reinando na conversa fiada e calorosa. Uma delas diz:

- Hoje acordei, olhei para chuva e não consegui parar de rir. Lembrei-me da sua primeira madrinha, você lembra?

- Da chuva? Sim, a primeira a gente nunca esquece! – A caçula do outro lado da cidade pelo telefone, ria junto com a lembrança.

- Sinto tanta saudade de você, das nossas brincadeiras, dos nossos irmãos todos... – A voz saiu quase chorada, aquele nó sufocante impedia de continuar a conversa. Mudou rapidamente o assunto para não estragar aquele momento feliz. Era apenas recordações e a distância entre elas sempre parecia mais distante quando conversavam ao telefone.

- Logo estaremos juntas, beijos! – Consolou a caçula.

- Sim, beijoquinhas querida. – Despediu-se.

A filha que estava perto, depois que a mãe desligou o telefone, curiosa que só ela, perguntou:

- Mãe, por que você ria tanto no telefone com a tia?

- Senta aqui, querida, vou contar o motivo de tanta risada...

Ao lado da mãe que disfarçava os olhos marejados, foi ouvindo:

- Em nossa casa todos fomos batizados na igreja, menos a tia Bia porque papai queria que a mãe dele a batizasse. Como a nossa avó morava em outro estado e nunca que vinha, a minha irmã ia crescendo sem as bênçãos do batismo. E sempre as tias da nossa mãe e as beatas da igreja diziam:

“- Olha, Maria, precisa batizar essa menina logo antes que o diabo se aposse dela!”

- Pra quê eu fui ouvir aquelas palavras, minha filha! Daquele dia em diante nunca mais consegui dormir em paz ao lado da sua tia Bia. Lembro que eu suava a noite por dormir com a cabeça coberta em pleno verão com medo que minha irmã ficasse possuída pelo demônio e fosse para cima de mim me atacar.

A filha interrompeu a mãe dando risada:

- Ha, ha, ha... Mãe, você acreditava mesmo nisso? Quantos anos vocês tinham nessa época?

- Acho que em todo o bairro eu era a menina mais medrosa e impressionável que já existiu naquela época! Eu tinha nove anos e minha irmã, seis. – Respondeu a mãe às gargalhadas.

E a mãe prosseguiu com o relato:

- O medo aumentou depois que assisti ao filme em 1973, O Exorcista. Minha filha, o medo era tanto que teve uma noite que senti a cama levitar. Comecei a chorar, a gritar tanto que acordei todos os meus irmãos! No dia seguinte determinei que encontraria um jeito de acabar com aquele sufoco, pois até pela manhã eu já temia só em ficar ao lado da minha irmã caçula “pagã”.

Como tinha uma cabeça bem pensante, eu ficava horas matutando ideias para livrar minha irmãzinha das garras do “bicho ruim”, como costumávamos chamar o diabo. Nenhum dos irmãos se atrevia a pronunciar “diabo, capeta, demônios” ou similares, com receio dele achar que estávamos convidando para entrar em nossa casa. Então, quando queríamos nos referir a ele, era "coisa ruim" mesmo.

A filha acompanhava a narração da mãe com olhos atentos, quase sem piscar. Parecia mesmo interessada. E continuou ouvindo:

- Bem, querida, finalmente um luz divina clareou-me as ideias naquela tarde de chuva de verão. Segurei minha irmãzinha pela mão, a levei para o quintal e disse... “Bia, hoje eu vou batizar você”.

Debaixo de chuva eu proclamei as mesmas palavras proferidas pelo padre no dia do meu batismo. “Bia, a partir de hoje a Chuva será a sua madrinha, você aceita?”. Aos seis anos de idade, depois de tê-la amedrontado com os absurdos das possessões demoníacas, claro que ela aceitaria qualquer batismo! Com seu consentimento, finalizei dizendo, “eu te batizo em nome do Pai, do Filho, do Espírito Santo. E ordenei, "agora tome a bênção para sua madrinha, Bia!”

- Ha, ha, ha... Você não fez isso, mãe!!! Duvidou a filha quase chorando de rir.

A mãe rindo junto, respondeu:

- Com toda pureza de um coração de criança medrosa, fiz tudo o que acabo de lhe contar, querida! Medo e cabeça de menina fazem coisas que a razão não controla!

- Mãe, muito show! Você é muito divertida, sabia?

- E você sabe, meu bem que até hoje a Bia pede bênção para a chuva?

As duas riram vendo a Chuva Madrinha cair abençoando a tarde para na manhã seguinte abrir flores encantadoramente belas.


Eu, minha irmã (a afilhada da Chuva Madrinha...rs)
com nosso sobrinho Rafael, há 21 anos atrás...rs