26 de jul de 2009

ACEITAR O ADEUS...

to

As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




ACEITAR O ADEUS...


Até quando, ó Deus, me iludirei
Por quanto tempo aguentarei
Fingir que tudo não se acabou
Não teve fim nosso amor?

Eu não vejo sinais de partidas
Tuas lembranças aqui tão vivas
Olho-me no espelho e estás lá
Com sorrisos a me admirar...

A tua fala cálida envolvente
Ouço clara em minha mente
Será que eu já enlouqueci
Tua presença sinto aqui!

Amor me deixa mesmo insana
Rolo contigo em minha cama
Eu sei que é apenas fantasia
No fundo era o que eu queria.

Para todo sempre irei guardar
Coisas nossas para recordar
Foste a melhor coisa que tive
Amor belo não morre, ele vive...



Djanira Luz

CRISE CONJUGAL OU FIM DO AMOR?


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!




CRISE CONJUGAL OU FIM DO AMOR?



- Dá vontade de embrulhá-lo num belo pacote de presente e entregar para a família dele!

- Calma Ju... De cabeça quente não se resolve nada!

- Mas, era isto mesmo que gostaria de fazer. A vida toda dizendo que não sou boa o suficiente para ele é demais até para mim que sou paciente ao extremo, Marina...

- Família é assim mesmo, quando não tem problemas eles inventam. É puro despeito e ciúmes.

- Até hoje? Quinze anos de casados e ainda ouço gracinhas nas reuniões de família... Um saco! Minha sogra vive dizendo que Gui gosta mais de mim do que dela. Será que não sabe diferenciar amor de mãe e de mulher?

- É... Você passou por maus momentos, eu lembro bem como sofreu. Filho mais velho a mãe fica assim mesmo.

- Poxa... Sempre procurei tratar a todos com o respeito que merecem e ninguém reconheceu, tampouco retribuiu... Isso é uma grossa falta de consideração.

- Não liga, amiga, se você está feliz releve.

- Já nem sei se valeu a pena pagar alto pela felicidade e confesso que nem me sinto tão feliz assim... Estou me sentindo uma pedra desgastada com o tempo, as tempestades de palavras ásperas, as ventanias de ciúmes da sogra fizeram corroer o amor que havia em mim pelo Gui.

- Que isso, Ju? Está querendo dizer que não ama o Guilherme como antes? É isso?

- Pois é... O que sentia por ele, o amor que era grande perdeu um pouco de força e encantamento. Não sei o que fazer... A vida agora ao lado dele parece sem razão para mim... Por favor, me ajuda Marina!

- Amiga... A gente que está de fora fica difícil externar uma opinião porque é entre você e ele... Mas, eu posso sugerir que pense bem se está infeliz por conta da família dele ou por sentir que não o ama mais.

- Não. Acho que as implicâncias da família dele são, na verdade, uma desculpa que estou dando para minha insatisfação. Por que anos atrás eu não me incomodava tanto com o que a família dele dizia e agora por nada me irrito? É porque hoje já não sinto o mesmo amor por ele. Ando me sentido mal e me culpado por isso...

- Ju, pode ser apenas uma crise, um momento que todo casal com tanto tempo juntos enfrenta. Talvez passe. Tente encontrar bons motivos no Gui para continuar com ele, ok?

- Ahhhh... Pode ser. Parece que uma eternidade me separa do Gui ultimamente. Depois de tantos anos juntos eu me sinto ao lado de um estranho... Eu não estou à vontade mais com ele, você pode entender isso? É como se de repente descobrisse que foi um erro ter casado cedo, ter desistido dos meus sonhos... Ah, meu Deus!!! Será que o problema é comigo? Deve ser mesmo crise essa vontade de resgatar aquilo que abandonei, a vida que deixei para trás quando casei.

- Ju, por que você não procura um psicólogo. Geralmente...

- Ah, Marina, para! Você sabe muito bem o que penso de psicólogos... Quem tem amigo não precisa de psicólogo e poder me abrir com você é minha terapia.

- Entendo, Ju... Mas, um especialista sabe orientar com propriedade essas questões de crise conjugal e não fala mal de psicólogos que minha tia é psicóloga das boas!

- Ha, ha, ha! Ah, então está bem, vou entender como marketing familiar...

- Engraçadinha...

- Vou pensar no caso, não estou dizendo que irei procurar ajuda num consultório, mas já é um começo se digo que vou pensar...

- Olha, amiga... Pense bem antes de decidir qualquer coisa e pese bastante na balança da consciência. Caso certifique-se de que não tem jeito, que o amor acabou, conte comigo para uma nova vida, um recomeço. Estarei sempre a seu lado, viu?

- Eu sei e sou grata por isso. Agora uma coisa é certa, se eu optar pela separação, vou embrulhar o Gui e enviá-lo para a família dele e dizer-lhes que não tinham razão! O Gui que não é tão bom para mim porque EU sou bem melhor do que eles imaginam que sou!

- Isso, garota, assim que se fala! Cabeça e auto-estima lá em cima!



Djanira Luz