6 de out de 2009

INFINITO SOFRER...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



INFINITO SOFRER...


Chegou forte arrasando tudo, destruindo sonhos, espalhando lembranças bem guardadas, embaralhando-me ideias com tempestivas saudades.

Inerte fiquei de olhar perdido no vazio onde estou sem janelas abertas para admirar e com portas fechadas para saídas. Um labirinto em mim se fez. Encontro-me na companhia dela. Ela que faz das horas, eternidades e do vazio, imensidão; ela que da boca rouba o riso e do olhar o amanhecer de lindos dias.

E que põe na vida um amargo levando a sede, a fome, a vontade de viver. Que me abraça tão fria quanto cortante, que silencia os sons alegres dos momentos felizes, deixando-me compreender que o sofrer é infinito quando se tem por companhia ela, a solidão...



Djanira Luz

TRAZ DE VOLTA A MENINA DOS MEUS DIAS... (Crônica Lírica)


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



TRAZ DE VOLTA A MENINA DOS MEUS DIAS... (Crônica Lírica)


Amanheci e senti falta dela, pelo desânimo sabia que não estava junto naquele momento. Na esperança de que a encontrasse no reflexo através do meu olhar, apressei-me para diante do espelho. Mas não havia nos olhos o brilho radiante indicando a presença dela. O sorriso, a alegria, a calma transmitida na segurança de que tudo acaba bem havia partido sem aviso.

Para onde foi a menina que me habita fazendo dos meus dias rios de felicidade e esperança? Que motivos teve para abandonar-me a ermo o coração que se fazia lilás, rosa, amarelo de Sol recheando de risos os lábios e que me deixavam mesmo sorrir pelo corpo inteiro onde a dança, o gesto revelavam a alegria vivendo aqui dentro.

Que serão dos meus dias sem ela, que será de mim sem as tintas que me emprestava fazendo-me encontrar o ouro do amor no final do arco-iris da minha vida colorida de otimismo e beleza.

O negrume do silêncio desvenda a ausência da doce presença com seu espírito iluminado... Devido eu ter desistido do grande amor que a vida desembrulhou para mim, a menina partiu. Pois não sobrevive quando o coração se dissolve em cinzas. Por ser Sol, ser Luz, todas as cores, perfumes e poesias, ela só há de voltar no dia em que meu sorriso for mais além do que se vê em meus lábios.

Preciso dela, mas é de você quem necessito para trazê-la de volta, pois sua presença é que dá vida e alimenta o meu lado mais bonito: a menina que saltita feliz no meu interior quando o tenho junto a mim...


Djanira Luz