14 de jul de 2009

ISSO É COISA DO CAPETA!




ISSO É COISA DO
CAPETA!


Primeiro eles ligam com a maior delicadeza, moças e rapazes. Uma educação de dar inveja aos integrantes da família real britânica...

Sempre achei que esse negócio de cartão de crédito era invenção do capeta. Sério... Está achando graça? Espera só até eu concluir minha teoria de conspiração. Aí você vai me dizer se estou certa ou... Lunática!

Capeta astuto, desnaturado, convoca e espalha sua legião para conquistar adeptos para que adquiram cartão de crédito... Tenho que rir porque quando trabalhava no banco, tinha metas a cumprir e uma delas era empurrar cartões de crédito para os clientes e aqui estou trabalhando contra aquilo que um dia me vi obrigada a acatar.

Preste atenção e veja se não estou coberta de razão. O capeta é conhecido por ter duas caras. É falso, veste-se de bonzinho e no fim das contas, depois de ganhar a alma e confiança do infeliz, ele mostra a verdadeira horrível face, põe as garras de fora e tira o couro da criatura, da vítima em questão.

Assim é o cartão de crédito... Tem dois lados: Um com o lindo logotipo da bandeira preferencial do cliente. Um visual sedutor para que o usuário do cartão se ache o máximo, o poderoso, o "dono da cocada preta". De posse de um cartão, tudo são flores! Acabam-se as mesas vazias, os cabelos desalinhados, as roupas rotas, etc e tal... É só dizer para o vendedor: “-Põe no cartão...” . Porém, do outro lado do cartão, a simples assinatura do mesmo cliente lembra-o de que ele não tem saldo suficiente no banco, quando não está no negativo... Esse é o lado feio do cartão, o lado da realidade dos fulanos e sicranos da vida...

À primeira vista, o cartão de crédito é mesmo uma “mão na roda”, um “quebra-galho, a “salvação da lavoura”... Quando surge um imprevisto ou um convite para uma festa, e você vê que não tem grana sobrando, aliás tem até contas a pagar, aí quem aparece para ajudar? Ele, lógico! O maquiavélico capeta soprando a seu ouvido:

“- Usa o cartão de crédito... Não vai querer perder a festa do ano, vai? Você só começa a pagar daqui a dois meses... E ainda pode dividir em quantas vezes quiser! Vinte quatro meses passa rapidinho!”.

Tentador, não? Aí, você não resiste e mais uma vez se vê seduzido pelas “facilidades” que o cartão lhe proporciona...

Repare bem que eu disse “à primeira vista” o cartão de crédito parece ser algo bom. Mas, meu amigo, experimenta atrasar o pagamento de uma parcela da prestação da dívida que adquiriu! Lembra daqueles moços e moças gentis do início ligando para oferecer o cartão, com aquela voz de veludo de filme erótico? Pois bem, para cobrar não são eles que ligam. É o próprio capeta! Aí, caro leitor, você vai conhecer a cara feia do bicho ruim... Aquela voz açucarada dá lugar a uma ameaça de colocar seu nome que você tanto preza, no SPC e no SERASA.

Para você conseguir um cartão de crédito, é a maior facilidade. Agora para você saldar suas dívidas é um “Deus nos acuda”. Nessa hora você vai lembrar que eu tenho razão em dizer que o inventor do cartão de crédito é mesmo o ”coisa ruim”... O capeta o faz sentir bem na hora da oferta irrecusável para você aderir a um cartão. No final da contas, você entende que ele colocou foi uma corda no seu pescoço.

Agora quando for fazer suas compras e ficar tentado a comprar tudo o que precisa e até o que não precisa, pense bem! Além do cartão de crédito na carteira, leve seu anjo da guarda à tiracolo! E vai rezando um Pai Nosso...

“(***)E não me deixeis cair em tentação!”... E vai de reto satanás! He, he...




Djanira Luz

QUERO SER UMA BARATA!!!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


QUERO SER UMA BARATA!!!

Volta e meia aparece alguém fazendo esta pergunta. Na maioria das vezes, são meus queridos amigos espíritas... “Se não fosse humana, qual animal gostaria de ser?”. Uma tartaruga seguramente era a resposta. Admiro a tartaruga pela passividade que representa e pelo fato da longevidade. Aquele dito faz jus à figura da tartaruga – “Devagar se vai ao longe...”.

Mas, hoje já não almejo ser um animal, opto por um inseto. O mundo mudou e também meu pensamento. Quero ser uma barata! A barata se encaixa melhor no perfil atual dos acontecimentos que me cercam. Barata sobrevive a bomba atômica, se adapta aos inseticidas, baraticidas e tudo quanto “ticidas”. Ela é astuta e perspicaz! Já tentou matar uma barata com sapato ou sandália Havaiana ou marca similar? Reparou que ela procura logo um cantinho para se esconder? Sabe por quê? Porque no cantinho fica difícil eliminá-la com qualquer sapato. Só mesmo com um daquele modelo Luiz XV. Dia desses estive numa sapataria para comprar um modelo bico fino, para presente. O vendedor pediu para um novo funcio nário buscar, como ele pareceu não saber que modelo que eu procurava, o vendedor experiente disse para o rapazinho: “- Aquele tipo mata barata”. Quem inventou esse termo, “sapato bico fino para matar barata”, estava certíssimo!

Bem, retornando para minha opção preferencial pela barata... Ser uma barata atualmente é de grande valia, pois desta forma eu posso sobreviver às bombas tipo “Bush” e “Lula”. Posso ainda sobreviver às bombas passadas, as minas esquecidas como “Collor”, “Figueiredo”, entre outros. Isso talvez seja ainda mais perigoso do que a bomba que temos nas mãos, que está sendo manuseada atualmente. É perigoso pisar numa bomba esquecida, um passo em falso, ela vem à tona e detona com toda sua fúria... Nossa! Pensar neles, meu Deus, chego até sentir saudade do Sarney!

Como uma barata que resiste aos inseticidas, eu ficaria resistente a determinados programas televisivos, certos tipos de músicas, pessoas rudes, grosseiras, mal-educadas... Com o sangue frio como o da barata, ele me faria ficar imune a certas coisas que como mulher, sou humanamente impossível de tolerar. Além da vantagem de não ficar nem aí para as crises mundiais, com preocupações com quedas de bolsas de valores, crises financeiras do país, enchentes, terremotos, maremotos, desabamentos, desabrigados, alagados... Ufa! Haja sangue de barata nas veias para suportar tantas intempéries! Garanto que como barata, teria fios brancos e rugas a menos...

Barata é ousada e persistente! Entra em nossa casa por menor que seja a brecha. Você pode contratar o serviço de dedetização com os mais modernos i nseticidas. Elas até desaparecem por um curto espaço de tempo. Depois retornam mais resistentes.

Diante das lições que aprendi mesmo de um simples inseto como a barata, no próximo ano também vou ser mais firme e mais resistente em tudo quanto fizer. Nada irá me deter! Por menor que seja a brecha, lá estarei para conquistar o que desejo e também para tentar melhorar o mundo ao meu redor. Posso até ser repudiada, levar umas “sapatadas” pela cara a fora. Podem mesmo tentar me eliminar; aí eu até dou um tempo, me afasto. Mas, volto depois mais obstinada!

Da barata só não desejo ter a casca dura. Quero conquistar sendo amável e gentil. Pretendo conquistar antes pela paz e doçura e não ser fingida como a barata que morde e assopra...

E você, diz aí... Qual animal ou inseto você seria? “La Cucaracha también”?




Djanira Luz

ELA É VIDA!


As iamgens desta página foram retiradas da busca Google




ELA É VIDA!




Água que vaza dos olhos é lágrima. No calor do corpo, suor. Na boca com desejo, saliva. Dentro do útero é vida nova formando...







Djanira Luz