13 de ago de 2009

A ENCOMENDA DO SENHOR DESTINO...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



A ENCOMENDA DO SENHOR DESTINO...


- Uma entrega para mim? O que será? Não me lembro de ter encomendado nada...

Melissa levantou-se da cama, pegou o roupão foi até o entregador para receber aqueles pacotes. Estranhou a quantidade de caixas.

- Bom dia! O senhor está certo do endereço? Quem é o remetente, pode me dizer, por favor?

- Bom dia! Melissa? É você?

- Sim, eu mesma. Em carne, osso e sentimentos!

- Bem, penso que é para você. Por acaso não acabou de se separar do seu grande amor?

- Sim, mas... O que tem a ver com isso? – Melissa reparou que em cada caixa havia a descrição do conteúdo. Foi pegando uma a uma e leu espantada:

- DESILUSÃO? SAUDADE? TRISTEZA? Mas que coisas são estas que o senhor me trouxe?

- Ué, essa é a encomenda que sempre entrego para quem está sofrendo... Aliás, foi me incumbido de entregar um pacote completo de DST!

- Quem mandou e o que significa DST? Algum partido político? – Divertiu-se ela.

- Não! Eu mesmo, o senhor DESTINO envio justo aquilo que cada um busca... Como a senhora anda triste, chorosa, esses serão seus companheiros daqui para frente!

- Que companheiros? Fale com clareza, pois não estou entendendo nada...

- Bem, toda vez que uma pessoa está infeliz e fica assim feito você, abatida, eu entrego o pacote de DST, que vem com DESILUSÃO, DESÂNIMO, DEPRESSÃO, SOFRIMENTO, SAUDADE, SOLIDÃO, TRISTEZA, TENSÃO e TÉDIO.

- Deus me livre! O senhor está totalmente enganado a meu respeito! Choro sim e quem não chora a perda de um amor verdadeiro? Amar assim como amei é coisa rara e ter perdido esse amor me doeu... Chorei e choro, mas não vou me entregar ao desespero. Posso sofrer um tempo, mas não do jeito que está insinuando!

- Todos dizem a mesma coisa, no final, vão fazer uso de cada conteúdo das caixas!

- Mas não vou mesmo! Sabe por quê? Por que tenho ESPERANÇA de que vou encontrar novo amor que me trará de volta o brilho dos olhos, a alegria do sorriso feliz e que andarei por novos caminhos!

Ouvindo isso, perplexo com as certezas daquela mulher e por ter errado o endereço de entrega, o Destino disse:

- Nossa... Como pude me enganar! Com você aprendi que nem todo aquele que chora a perda de um amor, de algo precioso para si é que vai ficar mergulhado em tristezas e vai se enterrando a cada dia mais em dor, desistindo de encontrar motivos para viver dias de alegria...

Depois de se desculpar pelo engano, o entregador Destino e a Melissa puderam ouvir aquela voz triste vinda de uma casa no final da rua, uma voz acompanhando Nora Ney cantar “Ninguém me ama”.

Uma voz que fazia doer a alma de quem a ouvisse, ela estava traduzindo nas letras da música a dor tamanha em si:

Ninguém me ama, ninguém me quer, ninguém me chama de meu amor. A vida passa e eu sem ninguém... E, quem me abraça, não me quer bem.”

Antes de se despedir, o entregador Destino disse ainda para Melissa, referindo-se aquela que cantava com a Nora Ney:

- Vejo que encontrei o endereço certo. A dor faz morada onde pessoas gostam de alimentar a tristeza.

E foi-se para o final da rua fazer a entrega naquela casa da cantoria triste, deixando Melissa cheia de esperança e com o desejo alegre. Pronta para recomeçar...



Djanira Luz

O ÚLTIMO ENCONTRO.




O ÚLTIMO ENCONTRO.




Anne precisava escrever aquela carta. Sabia se não o visse mais uma vez, uma última vez que fosse, ele jamais sairia da sua vida e sendo assim, estaria condenada a sofrer de amor pelo resto de seus dias. Relutou enquanto pôde, entretanto, Anne sabia que a mente quando deseja não adianta lutar contra, afinal é ela quem manda e desmanda em nossas vontades, não é?

- Ah, mente... Por que me faz sofrer? Por que não apaga de vez da memória aquele a quem tanto amo se é impossível vivermos juntos? Não me torture assim, antes, ajuda-me a esquecê-lo.

Perdeu as vezes que chorando pedia para que a mente apagasse ele da sua vida, mas quanto mais ela pedia, mais Anne certificava de seu amor. Diante disso, dessa resistência em amá-lo foi que optou em escrever...


...A CARTA


Oi!

Engulo vergonha, promessas de não lhe procurar para dizer que preciso vê-lo mais uma vez. Uma última vez que seja. Quero devolver o que de você ficou comigo e resgatar o que me deixei em você. Restituo seu cheiro impregnado em mim, o gosto doce dos seus beijos e o sal que provei do suor do corpo nos momentos de intenso amor...

Quero tirar da mente a sua voz que grita por meu nome e não para de dizer que me adora, que me ama e que nunca vai me esquecer... De tudo isso necessito olvidar! Preciso sair dos seus olhos onde me vejo feliz, sorridente com aquela expressão iluminada de quem ama demais reflete no outro. Preciso resgatar minha essência que você levou para dentro, bem fundo do seu coração, pois as batidas no meu peito já não são alegres com antes, então eu entendo que preciso tirar você de mim para que eu seja eu novamente, hoje sou mais você do que eu, de tanto amor que lhe dediquei.

Devolvo ainda, o toque das suas mãos. Essas mãos que me percorreram todo o corpo de um jeito que só você mesmo soube tocar, desvendando segredos ocultos, caminhos jamais percorridos por eu ter me entregue em confiança e amor a você.

Só peço e não me negue um último encontro para que em seus abraços possa fazer a devolução onde fico de posse daquilo que é meu e devolvo tudo que ficou em mim que seja seu... É o único jeito que surtirá resultado, pois ciente de que será nosso último encontro e não mais voltarei com promessas de belos dias felizes, nos amanhãs. Não perderei minhas noites de sono à sua espera que nunca vem.

A realidade abrirá meus olhos e minha mente irá, enfim aceitar que tudo voltou ao seu lugar, o que é meu já terei resgatado e não mais sofrerei por não tê-lo aqui ao meu lado...



Djanira Luz