30 de jun de 2009

APRENDENDO A CAIR...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!


APRENDENDO A CAIR...




Valeram as instruções do mestre de Judô. Não fossem elas, eu teria caído de jeito e estaria com o braço quebrado.

Ficou marca roxa da queda, mas no braço não houve maiores danos. Sorte minha! Mais sorte foi ter dado ouvido ao ensinamento do mestre:

- É preciso aprender a cair!

Não havia dado tanta importância aquela frase até o dia em que precisei pô-la em prática.


Procurei levar o aprendizado para além da queda física, pois quando perdia pessoas amigas ou alguma coisa importante, eu desmoronava. E cada tombo que a vida me dava, para me reerguer era muito difícil e doloroso... Fosse por um projeto ou amor perdido, como eu sofria!

Atualmente quando morre alguém querido, já me sinto fortalecida para as quedas e não mais quero ser enterrada junto, pois tem pessoas que dependem de mim e entendo que cada um tem seu tempo determinado para cumprir sua missão aqui entre nós... E se o amor se vai? Outro virá! É a vida...

Depois de cair muito, de ficar ferida no corpo e na alma, posso afirmar que minhas quedas são bem menos doloridas. As do corpo e as do coração.


De tudo que vivo procuro tirar proveito e nos momentos de dor, nas minhas quedas aprendi uma grande lição. Foi nessas horas que identifiquei os verdadeiros amigos, aqueles que sempre têm sorrisos e braços para me reerguer ou para um abraço de conforto. Descobri também que é preciso aprender a cair para aprendermos a levantar das possíveis e inevitáveis quedas.

Acima disso, eu conto com a minha fé, com o braço poderoso de Deus que me sustenta!


E você? Já aprendeu a cair? rs





Djanira Luz

VERSOS DE MIM...


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!



VERSOS DE MIM...



Meus versos têm intensidade
Levam em si minhas verdades
Meio torto, um tanto sem jeito
Revelam o que trago no peito...

Por vezes são palavras-risadas
Noutras vazam orações choradas
O que vejo no mundo, eu retrato
Ficção, fantasia, ilusão ou fato...

Moldo sentimento com afeto
Quando ele tem endereço certo
Valho-me de força, de nobreza
Para do outro retirar a tristeza...

Uma coisa minha que é certa
As palavras são portas abertas
Havendo uma triste despedida
Os versos mostrarão a saída...

De um jeito bem alegre, rimado
Envio a cada dia o meu recado:
A dor vá para além do horizonte
Sigo aqui com sorrisos aos montes!




Djanira Luz