11 de jul de 2011

DE FORA DAS LETRAS...

Imagem do fotógrafo amigo Severino Silva, Jornal O DIA.

DE FORA DAS LETRAS...



Gosto desta frase da atriz juvenil Demi Lovato , Não me julgue. Você sabe meu nome, não minha história”. É assim que sinto quando escrevo um texto na primeira pessoa e recebo comentários como se o escrito fosse fato. Nem tudo o que escrevo, aliás, a maioria não aconteceu comigo. Pode até ser que me valha vez em quando de algum detalhe para compor textos. Isso não implica de que eu viva ou tenha vivido a história do texto.
O leitor precisa dissociar o enredo da vida do autor. A menos que esteja explicitado ser realidade. Gosto de criar e de reinventar. Crio personagens e por vezes recrio histórias a partir de um detalhe visto seja na rua, em casa com a família, na roda de amigos e por aí vai. Em todo canto temos uma gama de possibilidades de inventar ou reconstruir experiências por um fio que escorre da memória sempre pronta para a imaginação.
Minha maior recompensa é quando alguém sorri ou se emocina com uma história criada por mim. Desta forma sinto que atingi meu objetivo. É nessa hora que me sinto uma escritora de fato por que fui capaz de tocar a alma do leitor. E é isso que mais prezo em textos. Tocar almas. Suscitar a alegria.  A fúria. A tristeza. Seja qual for sentimento  aflorado com a leitura de um texto. Positiva ou negativa, a reação é que importa. Texto que  não manifeste riso ou choro. Raiva ou repúdio, foram letras desperdiçadas.
Ao ler um texto meu sinta a história e não queira encontrar o autor no meio dele. Mesmo que esteja escrito na primeir pesso. Apenas sinta, absorva,viva a mensagem transmitida.  E boa leitura!rs

Um comentário:

  1. É difícil conseguirmos que haja essa dissociação, Dja. Por outro lado, acredito que o leitor mais familiarizado com textos literários sabe diferenciar mais. E por um outro lado ainda, acredito que a identificação do leitor com o texto leva-o ou o induz a criar uma identidade com o autor, atribuindo-lhe o protagonismo do texto. A vantagem da tecnologia é que hoje podemos discutir isso ao vivo com o leitor. Alguns textos que não envolvem muito a intimidade eu prefiro deixar que pensem que sou o protagonista só mesmo para atiçar a curiosidade humana e mexer com a imaginação alheia. Adorei! Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir

QUERIDO LEITOR, QUE VOCÊ SAIA MELHOR DO QUE CHEGOU AQUI! VOLTE SEMPRE QUE O TEMPO PERMIRTIR OU O CORAÇÃO DESEJAR...rs

;Djanira LUZ