5 de jan de 2010

BORRACHAS NÃO APAGAM VIDAS!


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!

BORRACHAS NÃO APAGAM VIDAS!


Se houvesse uma borracha especial para apagar partes da vida, certamente eu faria uso eliminando boa parte dos anos da minha.

Quando criança apagaria aquela vez em que joguei água quente na lagartixa e não satisfeita, coloquei sal por cima da pobrezinha vendo as bolhas se formando. Há uma crueza ingênua na criança que chega ser perigosa, pois geralmente não se tem noção do que se faz no momento da pouca idade. Só mais tarde, de posse do discernimento é que caímos na real crueldade cometida.

Se houver reencarnação, certamente voltarei como lagartixa para sentir na pele frágil o mal que causei a uma delas.
Confesso que a culpa indireta foi de ter ouvido várias vezes, por muitas pessoas a seguinte absurda frase:

“- Quando o rabo da lagartixa sai e fica mexendo, ela está xingando nossa mãe!”

Eu amava (amo) muito mamãe e, talvez, inconscientemente o que fiz, foi uma vingança honrosa infantil na minha vã concepção. Sei que nada justifica a maldade feita, mas psicologicamente, algum estudioso deve saber explicar minha vergonhosa atitude.

Voltemos ao foco principal da crônica, a questão da borracha. Com sentimentos não tem jeito, nem objeto capaz de eliminar as rasuras dos erros ou sofrimentos passados. Como seria valioso possuir um corretivo, desses Liquid Paper usuais e poder encobrir aquilo que não me foi satisfatório, reescrever nova página com os acertos desejados.

Seria menos doloroso olhar para trás e não ver resquícios daquilo que me fez sofrer ou que me envergonha lembrar. Poder ter a chance de apagar ou encobrir partes do vivido faria de mim uma pessoa mais feliz com lembranças que não machucam ou desonram.

Há mais dores do que vergonha que gostaria de eliminar da minha vida, pois cada vez que recordo, quem se apaga de cores sou eu mesma. Quase desapareço de tanta tristeza que me invade.

Lamento aquilo que não fiz por ter desistido de lutar pela vitória, sinto ter permitido alguém querido partir sem descruzar os braços, quando apenas um aceno era suficiente para tê-lo a meu lado. Arrependo das palavras que não disse ou das que abusei dizê-las. Enfim, entre tantas outras coisas que vi e nada fiz para mudar meu futuro, padeço.

Ainda bem que a único fato que tenho vergonha é o da lagartixa. Mas, apesar de não existirem borrachas que apaguem tais atos, tanto vergonhosos quanto tristonhos, eu bem sei que há uma maneira de desbotá-los. Sempre que choro, além da vista embaçada, ofusca-me um pouco mais as tristes lembranças e suas imagens vão sendo lentamente apagadas da minha mente.

Entendo que não posso extrair de mim o que não gostei ter vivido, pois foram os meus erros e desenganos que me tornaram a mulher que sou hoje. Com falhas, risos e choros, porém, muito melhor a cada primavera.

Nossa! Tenho estado com ar tão retrospecto. Deve ser por estar na iminência de completar nova idade. É!rs


Djanira Luz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUERIDO LEITOR, QUE VOCÊ SAIA MELHOR DO QUE CHEGOU AQUI! VOLTE SEMPRE QUE O TEMPO PERMIRTIR OU O CORAÇÃO DESEJAR...rs

;Djanira LUZ