28 de jul de 2009

PALAVRAS SÃO COMO MÃOS QUE ME PRENDEM...


Este conto foi escrito há muitos anos, nem sei precisar a data porque não está datado. Mas, pelo teor e pela grafia, imagino que seja por volta do meus quinze anos. Ficou amarelecido e esquecido nas páginas de um livro antigo. Hoje essas palavras quiseram ser revividas e saltaram do passado para o "futuro-presente" na tela do meu computador...rs Só o título criei agora e alterei o autor pelo da minha preferência atual.


PALAVRAS SÃO COMO MÃOS QUE ME PRENDEM...


Toda vez era isso. Sabia quando o abrisse não haveria meio de parar. Dani sentia como se as palavras tivessem mãos e a prendessem em laços envolvendo-a na trama de cada livro que lia. Adorava ler, através das histórias tinha a sensação de estar lá no meio delas, das personagens. Muitas vezes imaginava-se parte da trama.

Era assim sempre. A comida esfriava e dona Helen esquentava em reclamações:

- Dani, desce logo senão a comida vai esfriar, minha filha... Ah, meu Deus! Gosto mesmo que Dani leia... Mas, precisa ser justo na hora das refeições? Ela nunca vem na hora!

- Já estou descendo, mãe! Só um minuto...

E aquele só um minuto era multiplicado por sessenta, às vezes até mais!

- Deixa a menina, Helen... Dani puxou ao pai, eu gostava de comer as sobremesas antes do almoço... – Brincava o pai José.

- Vê se eu estou achando graça! Sempre dando corda para ela...

- Mãe, pai! Nossa incrível mesmo... Adoro John Grisham! A linguagem dele é fascinante, os textos têm poder de me levar para dentro da história. Além de me divertir ao ler, eu aprendo muito. Enriqueço meu vocabulário, aprendo novas culturas, viajo!

- Sim, minha filha, há quem conheça o mundo inteiro, quiçá o Universo sem sair de casa!

- Exagero, Zé... Falando assim a Dani não sai mais do quarto nem para fazer as refeições!

- É sério o que falei, querida... O Breno ficou paraplégico com aquele terrível acidente de moto quando tinha dezoito anos e a mãe dele começou a ler para ajudá-lo nos estudos. Surtiu tanto efeito que o rapaz se apaixonou pela leitura que lê, em média, cerca de setenta livros por ano. Por conta das leituras, tornou-se um rapaz cheio de sabedoria. Não há assunto que ele não saiba conversar!

- Puxa, pai... Que bacana! Um dia me leva até ele para a gente conversar? Vou adorar falar sobre o que li com ele!

- Claro! Veja o dia que poderá ir que ligo para ele marcando uma visita. Você vai adorá-lo e ele a você.

- É mesmo, Zé... Havia me esquecido dele! Se não fossem os livros, certamente o Breno teria entrado em depressão.

- Viu, mãezinha! Então, não se zangue tanto quando me atrasar para as refeições. Papai comia sobremesa antes da comida e eu alimento meu espírito para depois saciar meu corpo... – Brincava Dani.

- Está bem, querida! Pode deixar... Se você saltar para dentro de um livro, eu a resgatarei no fim das páginas, lá onde termina a história. – Respondeu-lhe sorrindo a mãe.


As imagens desta página foram retiradas da busca Google, caso seja sua criação e não autorize postá-la, favor entrar em contato comigo que retirarei imediatamente. Obrigada!





Djanira Luz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUERIDO LEITOR, QUE VOCÊ SAIA MELHOR DO QUE CHEGOU AQUI! VOLTE SEMPRE QUE O TEMPO PERMIRTIR OU O CORAÇÃO DESEJAR...rs

;Djanira LUZ