16 de ago de 2014

SÓ APRENDE SER HOMEM SENDO UM...

Só se aprende ser homem sendo um. Foi nisto que me firmei quando o filho saiu cedo. Quase lhe pedi que deixasse o curso de Aprendiz para mais tarde. O coração temia pela carga horária, pelo suprimento do almoço. Filhos são tão frágeis aos olhos da mãe, mas ele precisava ir. Foi escolha dele e um dedo meu nas suas opções pode interromper um futuro de sonhos que ele espera ter. E quem sou eu para podar suas asas que começam a levantar voo! Sou mais de lhe levar ao precipício e dizer: Você consegue, vai filho, voa alto! Mas não foi sempre assim este meu desprendimento... Andei colocando-o sob a proteção de uma redoma que, para mim, era carinho, no entanto, vendo com a frieza da realidade, eu estava freando possibilidades. Sim, superproteção faz mais estragos que supunha... E reconheço culpa de alguns de seus fracassos. Mas eu tenho um álibi! Quantas vezes ele adiou fazer as lições dizendo-se indisposto ou com uma dor de cabeça para logo surgir na minha mente a lembrança do seu rostinho lindo aos dois anos de idade cheio de hematomas, consequência do espancamento dos sequestradores. O tempo foi passando e eu com cuidados excessivos, com desculpas para lhe atender as vontades e caprichos. Em 2010 não poderia ter acontecido fato pior que o diagnóstico da Síndrome de Guillan-Barré! Deus! Já não levaram os nossos bens materiais, quer levar meu tesouro? Deus sabia que seria demais para o meu coração e o milagre veio com a cura sem explicação médica. E novamente meu coração açucarado de piedade passava as mãos na preguiça, nas manhas do menino... Imaginei que já estava bom de provações. Deus, não. Ele não aliviou em nada. Provei de toda dor possível e inimaginável. Em 2011 veio a chuva forte, a enchente derrubando casa, levando bens, desfazendo sonhos, abalando a esperança... Do alto do meu sofrimento parecia ouvir Deus a me dizer: "Pensou que ser mãe seria algo fácil? *Sabe de nada, inocente*! Ser mãe é rasgar-se por inteiro. É um remendar de coração a cada fase da vida. É reconstruir-se das quedas, dos fracassos. É engolir choro. É se mostrar muralha quando se é sapê. É carregar nas costas o mundo com os pés feridos das lutas diárias. Acima de tudo, porém, é ter a recompensa grandiosa do amor sem medidas de um filho seu," É sim, Deus sempre tem as palavras sob medida para cada criatura sua. Eu sei que meu filho poderia estar melhor no colégio e mais responsável se eu não tivesse sido tão compassiva, acontece que a compaixão cega... Quando imaginava estar lhe fazendo o bem, na verdade o prejudicava Apesar de ter lhe poupado e até impedido de crescer e amadurecer, senti muito orgulho e alegria quando agradeci pelas aulas do professor particular, ele me disse que meus filhos "são pessoas de bem, são bem educadas". Então percebi que não errei tanto, nem fui uma mãe tão má assim. As notas, meu filho recupera. Se perder o ano, no próximo faz outra vez. Agora ética, educação, caráter não tem jeito de mudar se não foi moldado no berço, nos braços, nos abraços, nos beijos, nos carinhos, nos exemplos, também nas lágrimas. Meu filho foi fazer o curso. Vai aprender ser homem sendo um. Vida corrida, coisa de gente que está crescendo. Sai do colégio, voa para o curso, perde o almoço, faz um lanche... Ele aprende a ser homem e eu estou aprendendo a deixá-lo crescer e a caminhar com as suas próprias idéias...(Djanira Luz)
Imagem ilustrativa - Crédito fotojornalista Severino Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUERIDO LEITOR, QUE VOCÊ SAIA MELHOR DO QUE CHEGOU AQUI! VOLTE SEMPRE QUE O TEMPO PERMIRTIR OU O CORAÇÃO DESEJAR...rs

;Djanira LUZ