18 de fev de 2009


Naquela tarde...



Chegou na minha vida com sorrisos e barulhos. Encheu-me de alegrias, deu-me nova esperança. Menina virou moça, deixou para trás a criança...


Sinto não recordar o dia, o mês, apenas o ano guardei. Estava no trem, você entrou, logo me olhou. Quis falar comigo, mas fingi que nem ligo. Sentou-se ao meu lado com olhar interessado. Perguntou-me as horas, quase dei um fora. Você riu. Viu meu livro do cursinho, veio falando de mansinho. Com aquele sorriso largo, com um papo bem humorado. Meu coração bateu forte, não entendi o porquê. Será que já estava gostando do seu jeito, de você? Não havia papel para anotar seu telefone, nem ao menos o nome. O número foi falando e eu, decorando.


Foi amor verdadeiro, o meu primeiro. Mas seu ciúme foi o cume; a sua desconfiança, rompeu nossa aliança. E na mesma estação, deixei metade do meu coração. Você me devolveu, porém, a metade do seu!


Partimos com o coração trocado. Seguimos um para cada lado. A metade do seu, ao meu coração ficou colado... Cada um seguiu por caminhos diferentes, entre tantos lugares, entre milhões de gente. A vida é assim, mesmo sofrendo, seguimos em frente!


O tempo passou, muita coisa mudou. Ainda assim, há vestígios de você aqui em mim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUERIDO LEITOR, QUE VOCÊ SAIA MELHOR DO QUE CHEGOU AQUI! VOLTE SEMPRE QUE O TEMPO PERMIRTIR OU O CORAÇÃO DESEJAR...rs

;Djanira LUZ